Juliana Bernardo: Vitamina (2013)

Juliana Bernardo é poeta, taróloga e mochileira. Publicou Carta Branca (2011) e Vitamina (2013), ambos pela Editora Patuá. Desde 2012, organiza saraus, festivais independentes e rodas de conversa sobre escrita e publicação. Cursou Filosofia, na USP, e coeditou a Coleção Edições Maloqueiristas (2014), que reuniu 26 títulos entre poesia, ficção e teatro marginal. Escreve sobre as medicinas da floresta, e edita em casa seus livretos sobre bruxaria e sobre candomblé.

contato: [email protected]
https://www.facebook.com/caminhandocomosmisterios

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Vitamina (Editora Patuá, 2013).

 

.

sou criança. ganho de presente um coelho e um lápis. o lápis para
desenhar o destino do coelho. nas páginas grandes do livro em
branco rabisco planaltos ensolarados e um enorme gato laranja,
eletrocutado de alegria. no verso desenho um campo que lembra
o jardim das delícias. a cor vai correndo atrás do que o lápis traça.
o livro foge do meu controle. o coelho é verde.

 

POR MARES NUNCA DANTES NAVEGADOS
(INVOCAÇÃO)

Camões,
a poesia é uma quitinete
sem porta sem janela
me ensina, meu velho
com teu olho cego a olhar
através dela

 

VITAMINA

falo do espírito
essa veia mulata verde ancestral
que a fé mapeia e transfere

falo do mar
e seu balanço de abismo
seu coquetel de amor azul

falo da alegria
e sua navalha florida me fabrica
uma persiana na barriga

 

A PERSISTÊNCIA DA MEMÓRIA

era uma vez um dia
em que os graus não paravam de subir
e nós fugimos do trampo
tomamos sorvete
tiramos a roupa e corremos
pro chuveiro pras praias mas os graus
não paravam de subir, meu deus
suávamos um suor ancestral
e a vida virou um tsssss de pão na chapa
e como não tínhamos mais nada que tirar
botamos a alma pra fora

 

 

.

tempo tempo
invenção elástica
malandra dádiva

 

.

o avesso de Julieta
tem sangue tão doce
que um tris do punhal
pôs as abelhas em transe

 

.

a quem diz que mulher nasceu pra esperar
respondo que mulher nasceu pra se atrasar
os quinze minutos de praxe
e pra chegar no ápice
como se escalasse o Everest num lance
e o ar rarefeito lhe desse o feitiço
de viver no transe
entre chegar e não chegar
no trânsito
entre depois e já
mulher nasceu pra fazer a mala
e partir sem se explicar

 

LÁGRIMAS NOS DENTES

estacionou a lua na esquina
entrou no ap pela porta fechada
reconheceu os bichos renomeou os livros
sem uma palavra
me abraçou com os olhos
me amou com a testa
beijou outros com a mão
se despediu depois
com lágrimas nos dentes
vestiu o paletó de estrelas
saiu pela janela
levou a lua embora

Primata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *