Vitor Resquin: Árido (2020)

Vitor Augusto Resquin Rodriguez, poeta e educador. Filho de um casal da zona leste paulistana: do pai, a maldição do samba; da mãe, o terreiro; da vida, a capoeira. Autor de Naufragar como Verbo (2017) pela Editora Reformatório e sua mais recente publicação Árido (2020) pela Editora Penalux.

Facebook: www.facebook.com/resquinpage
Instagram: @resquinpage




Os poemas a seguir foram selecionados da obra Árido (2020)




BANZO

São dois rios intransponíveis,
coisa que paira e bruma acumula.

A pressa ainda é menina e disfarça dor,
beijos em velame-do-campo,
mil estrelas, ainda, banzam meu amor.

TEMPO (IROKO)

Lavar os pés do Tempo
e se recolher à margem de sua cama,

deita o arrebol junto ao corpo,
salgado no rosto.

RETRATO

Peneira ninando grão
e o sol gargalha
nos olhos do meu bem.



CANAVIAIS

Vento no canavial,
já não mais vasculhamos
os espaços deixados pela saudade,
deixa para mais tarde.

ESPELHO ENTERRADO

Vertigens dos trópicos e a febril América Latina.
Mariposas dos sonhos cintilam ao redor do candeeiro
à procura de calor.
Corpos mestiços, terra sangrada.
Rastos de meu avô Guarani
– Espelho enterrado, empoeirado, um retrato 3×4.
Ao fundo, uma Gameleira-branca alteia o vestido de minha avó.
E o Paraguai nunca esteve tão perto das mãos
– ou, talvez, tão longe.

A mão que me afaga a pele:
duerme, duerme, negrito
que tu mamá está en el campo

Galgada a fronteira,
o chão borbulha,
meu corpo ferve.


Primata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *