Kleber Lima: Poemas I (2016)

Kleber Lima é bibliotecário e nasceu em Teresina (PI) em 1984.



Os poemas a seguir foram selecionados do livro “Poemas I” (Penalux, 2016).



1


Não há lugar
a não ser você ou eu.
Desapropriada a dor
um deserto se instala
progride sobre nossos corpos
irreversivelmente;
como lagartos
precipitamos no arenoso,
em busca da umidade,
manter o escasso
o nível exato do ávido
ou aumentar o estoque
o make me a mask antitédio
através das sucções cactáceas
do beijo
da desova lírica
desses blocos de ácido no peito
somos derivados
salvos, contudo,
por essas parênquimas aquíferas
absintando nossas feridas
por esses sumos sem rumo
recheados de carne ofídica
o amor goelabaixo
o amor goelabaixo
o amor goelabaixo
entre nossos caninos dentes
também dá samba.

9


Abertura para um sol em tuas costas
um pomar na ponta dos teus dedos
tua cútis uma música sibila arrepios
boca transeunte trespassada de águas
palavras ardendo em silêncio eriçadas
motim de dilúvios enluarados lábios
assento de frêmitos olhando atônitos
teu rosto esta costura em meu coração
assediado por minhas vísceras famintas.


17


Esquiva
como um figo apressadamente mordido
e deixado sobre a mesa
como digitais inapagáveis por LP’s favoritos
supostamente uma rapina
saltando de uma janela panorâmica
entre osso e carne
ou
tão linda e amante de penhascos
os seios cobertos por nuvens
escorrendo como areia entre meus dedos
esfarinhadamente
um deserto toma a forma do teu corpo
desnudo
e eu me enrolo neste sudário
como se tu fosses, apenas,
esta forma de se atar ao silêncio.


43


depois de algum tempo
certas coisas
bem observadas
aderem à pele
e giram pelos olhos
como se descessem uma espiral
ou contornassem um umbigo
em câmera lenta
um piscar de olhos
numa boca
avançando contra a outra
até que pelos ares
veias e artérias eclodem
parafusadas nas silhuetas
infixáveis das entrelinhas
como se fossem rastros de pombos
num terreiro qualquer
grudam no sangue
numa convulsiva esperança
em que pernas e braços
batendo à toa
te façam seguir.


Primata

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *