R. Paiva: Cenas da passagem (2021)

Raphael Paiva nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1998. Dedica-se à poesia desde os 14, tendo começado a traduzir aos 17 (inicialmente, apenas poetas anglófonos, como William Butler Yeats e Ezra Pound) a fim de estudar a lírica na intimidade de diferentes línguas e tradições.




Os poemas a seguir foram selecionados do seu livro Cenas da passagem (Primata, 2021), disponível para aquisição neste link.



I


Sou contra a pedra que jaz profunda, etimológica, no adjetivo pétreo.

A pedra, dormente, acrítica,
é de uma paciência sem descanso ao tempo.
A pedra pesa,
a pedra vale,
a pedra sem fim, a pedra finita,
intimidade concreta, substantiva, despida de metafísica – que não a penetra –

opõe-se ao destino de coisa abjeta.

Calada, a pedra dispensa também silêncio,
gravidade, vida, valores.
A pedra, com sua pedagogia ociosa, oprimida,
só me ensinou a atirá-la:

antes, nas horas vagas;

hoje, nas decisivas.



XXII


Sob uns versos de Manoel de Barros


De fato, caracóis são solitários
entre nós,
mas não entre eles,
onde nem eles
nem nós.

XXV


Fio a fio,

como se a consolasse,
como que um rio estreito, esguio,
cose luto; o ralo acolhe. Escorre
as mãos ensaboadas pelo peito, cose
como que a si,

depura-se.






Primata

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *