Hilda Hilst: Anos 1950

Hilda Hilst nasceu em Jaú (SP) em 1930 e faleceu em Campinas (SP) em 2004.  Uma das mais importantes escritoras brasileiras do século XX,  publicou vasta e versátil obra nos gêneros da poesia, da ficção, da crônica e da dramaturgia.

 

 

Realizaremos um breve panorama de sua trajetória poética, dividido em 4 postagens. Nesta primeira, selecionamos poemas de seus livros publicados na década de 1950: Presságio (Revista dos Tribunais, 1950), Balada de Alzira (Edições Alarico, 1951), Balada do festival (Jornal de Letras, 1955) e Roteiro do silêncio (Anhambi, 1959).

 

Presságio (Revista dos Tribunais, 1950)

 

 

II

 

Me mataria em março
se te assemelhasses
às cousas perecíveis.
Mas não. Foste quase exato:
doçura, mansidão, amor, amigo.

Me mataria em março
se não fosse a saudade de ti
e a incerteza de descanso.
Se só eu sobrevivesse quase nula,
inerte como o silêncio:
o verdadeiro silêncio de catedral vazia,
sem santo, sem altar. Só eu mesma.

E se não fosse verão,
e se não fosse o medo da sombra,
e o medo da campa na escuridão,
o medo de que por sobre mim
surgissem plantas e enterrassem
suas raízes nos meus dedos.

Me mataria em março
se o medo fosse amor.
Se março, junho.

(mais…)