Caroline Policarpo Veloso: cartografia do silêncio (2019)

Caroline Policarpo Veloso nasceu em São Paulo em 1996. Graduada em letras, é animal metamorfo e nômade. cartografia do silêncio foi contemplado pelo edital de poesia do ProAC em 2018.


Os poemas a seguir foram selecionados da obra cartografia do silêncio (Patuá, 2019).

.

as pedras têm muita força, ou somos nós?
viviane nogueira


imagina carregar uma montanha
dentro do corpo

a cada passo a cada gesto
mover pedras

(imagina a dor nos músculos o cansaço)

//

imagina carregar dentro do corpo uma
pedra
vermelha
que sangra

(sempre)

//

imagina o tanto de

silêncio
e grito
calma
e força


(mais…)

Mercia Pessôa: Súrnia (1996)

Mercia Pessôa nasceu e mora no Rio de Janeiro. Poeta, é autora de Súrnia, (1996),  Zoa (2016) e Augusta (2019). Possui Doutorado em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP, com o tema “ Veredas Fáusticas da Narrativa: Almas Mortas e Grande Sertão” (2005), Mestrado em Poética (Ciência da Literatura) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ com  a dissertação “Misoginias Poéticas? A fragmentação do gênero em Gógol “(1998), é especialista em língua e literatura russa (1990).



Os poemas a seguir foram selecionados da obra Súrnia, (1996).




UMA MULHER E SUA QUARTA-FEIRA DE CINZAS

Tenho febre de lebre, anoiteço
Quase sem cor. De cor: “As horas
Que contém a forma
Na casa do sonho transcorreram”
Já não há mais rima para quedo
Que não seja medo
E talvez
Não haja conteúdo tampouco
O verso tornou-se um hiato
Entre o aposto e a eterna aposta
Seu reverso – uma partilha
Sem ponto final
E o que me resta jogar? Senão refutar
As palavras em perdas e ganhos. Para depois
Sorrir, sem fazer carnaval, demonstrando
O corpo e os dentes
Ao etéreo namorado

(mais…)

Roberto Casarini: Mudos muros (2019)

Roberto Casarini (Marília/SP, 8.10.1983), ou Casa, publicou os seguintes livros de poesia: Casa Rio (Medita, 2013), Casa Fogo (Medita, 2013), Piroca na Oca (Medita, 2014), Casa Mari (2015), Casa 08 80 (Urutau, 2017) e Poemas Permutantes (Ed. Lab, 2018). O livro Mudos Muros se pinta de versos à máquina (vermelho e negro), nas paredes de casa e nos muros da cidade. Perseguidor de novos traços e espaços. Poeta concreto e argamassa. Poeta de ocas e casas ao acaso. Poeta de 80 mundos em Mudos Muros. Lá, aonde ergueram muros, o coro coletivo pinta a poesia.




Os poemas a seguir foram selecionados da obra Mudos Muros (Córrego, 2019).


(mais…)

Helena Borges: Peito do pé sobre peito (2019)

Helena Borges nasceu em setembro de 1993. Carioca, foi morar em Belo Horizonte em 2017 para cursar artes plásticas na Escola Guignard, hoje frequentando o sexto período, depois de pedir transferência do Instituto de Artes da UERJ. Experimenta diversas linguagens e temas no seu processo criativo, como pintura, fotografia, cerâmica, desenho e escrita. É fascinada pelos fenômenos misteriosos da existência e horrorizada com certos fenômenos sociais, temas que são recorrentes no seu fazer artístico e mágico.


Os poemas a seguir foram selecionados do livro Peito do pé sobre peito (Urutau, 2019).


POEMA DE UM EXISTIR INTEIRO


Nesta noite de domingo entro no ônibus e na janela estourada há cacos de vidro.
Eu os pego, não é?
Pedaço transparente todo picotado, em sua superfície desenham-se caminhos verdes, lagos, rios?

O caco de vidro está quebrado em 10 mil pedaços
tão pequenos
e genuínos
que possuem luz.

Com as minhas mãos preciso esfarelá-los.
(Não sinto-as mais
há tempos.)

Cada pequeno pedaço transparente todo picotado, em sua superfície desenham-se caminhos azuis, ruas, calçadas?

São fios de vidro.
Segurá-los faz cortes nas mãos
e eu sangro ao esfarelá-los.

Cada fio de pequeno pedaço transparente todo picotado, em
sua superfície desenham-se caminhos vermelhos, veias, artérias?

Esfarelo-os enquanto vejo os fios se misturarem ao sangue,
ao meu sangue grosso.
E já estou no centro?

O essencial é microscópico!

Cada micro fio de pequeno pedaço transparente todo picotado, em sua superfície desenham-se caminhos brancos, nuvens, frios?

A vida incontrolável captura o vidro transparente e desse existir inteiro não se sobra nada.
(Não sinto-as mais,
há tempos.)

(mais…)

Isadora Krieger: Explorações Cardiomitológicas (2018)

Poeta e escritora, em 2018 publicou o livro de poesia Explorações Cardiomitológicas (Editora da Casa), semifinalista do Prêmio Oceanos de Literatura em 2019 e suplente no edital de residência artística do Sesc SC em 2018. Em 2017 publicou a novela O wi-fi da igreja é muito fraco (Editora Urutau). Em 2014 publicou o romance Memória da Bananeira (Carniceria Livros), o livro de poemas e fragmentos O Gosto da Cabeça, na coleção Poesia Menor (Publicações Iara) e a novela “Caráter Anal”, na coleção Boca Santa (Carniceria Livros). Atualmente trabalha na peça de teatro Amadeleite. Realizou oficinas de escrita em São Paulo, São Carlos, Belo Horizonte e Balneário Camboriú.

foto: Julieta Bacchin


Os poemas a seguir foram selecionados da obra Explorações Cardiomitológicas (Editora da Casa, 2018).


.

só será possível escrever a carta desconsiderando entregá-la
só será possível escrevê-la desconfiando que tu já a lês
numa terra que antecipa os símbolos, indícios de incontáveis perdas e de alguma improvável luz
que guarda a palavra saudade, no cão que uiva incansavelmente à noite
como se soubesse, mas não aceitasse que o abandono foi inevitável, porque todos os abandonos são. e o que nos resta, e o que sempre restará, será a solidão do próprio reflexo
que guarda também a palavra paciência, na pedra apta a permanecer para sempre pedra e até propensa, e, inclusive, mais talentosa do que qualquer sacerdote, a nos ensinar o silêncio e a abnegação
que guarda, ainda, a palavra amor em estado primevo
no pássaro que aceita o ninho destruído pelo vento, e sobretudo, pelo toque humano – portanto inábil por natureza. afinal, por que as crianças se divertem tanto mirando estilingues contra o céu?
esta é uma das oitenta e sete perguntas que não te fiz, oitenta e sete respostas que não tive
mas não há alternativas
não há nem mesmo uma única alternativa (a não ser agir como cão, pedra e pássaro)
quando o estoque de velas foi gasto de maneira inapropriada
numa despedida que serviu para tudo
menos para dizer adeus.
só será possível entregar a carta imaginando-te velho, ainda mais velho do que quando te conheci
sentado numa velha cadeira
fumando um velho charuto
sozinho numa velha varanda
diante de uma velha paisagem
tão velha quanto a ideia de deus.

(mais…)

Leandro Rodrigues: Aprendizagem cinza (2016)

Leandro Rodrigues (1976) nasceu em Osasco, São Paulo. É Poeta e Professor de Literatura. Já lançou os livros Aprendizagem Cinza (2016) e Faz Sol Mas Eu Grito (2018). Participou das antologias: Hiperconexões 3 – Carbono & Silício (2017), O Casulo (2017), Sarau da Paulista (2019), MedioCridade (2019) e 15ª Antologia SESC Carlos Drummond de Andrade (Brasília). Já teve poemas traduzidos e publicados na Espanha (revista sèrie Alfa) e nos Estados Unidos (revista Dusie Nº 21 da UCLA (Universidade da Califórnia)), também em diversos sites, jornais e revistas do Brasil e de Portugal.


foto: Jesse Navarro


Os poemas a seguir foram selecionados da obra Aprendizagem Cinza (Patuá, 2016).



O HOMEM DE PAPEL

Então acaba-se assim um homem
Num segundo – e já não existe mais.
O que fez; o que não fez – a tarde
O que faria; o que desejaria ainda.

Ponto final. Vira-se a página.

O homem é passado. Passou.

Recorte de recortes.

O livro fechado esquecido.

Mera ilusão. A noite
Empoeirada em estantes,
As revoltas (reviravoltas),
O sofrimento, a chama.

Sequer o adeus reservado.

Apaga-se.

(mais…)

Arthur Lungov: Anticanções (2019)

Arthur Lungov é poeta e editor de poesia da Lavoura, revista de literatura contemporânea. É autor dos livros Luzes fortes, delírios urbanos (Patuá, 2016) e Corpos (inédito), que foi contemplado pelo 2° Edital de Publicação de Livros da Cidade de São Paulo; e da plaquete Anticanções (Sebastião Grifo, 2019). Foi publicado em coletâneas e revistas literárias. Foi curador convidado da Casa Philos na FLIP 2018, e na Cadeia Literária na FLIP 2019. Email para contato: [email protected]



Os poemas a seguir foram selecionados da plaquete Anticanções (Sebastião Grifo, 2019).



APESAR DE VOCÊ

através e aos arrancos os necos puxados feito patas rasgando o fino fio da mortalha desta eloquência de fragmentos que aderem à garganta como sufoco no escuro da glote tornada moela pra esmigalhar o elixir viperino jorro escarrado falido nesse choro seco e antecipado primeira condição dos dividendos vindos do samba penumbra vivaz que há de decretar o rolar de lágrimas como enormes rochedos a descer cascata punindo o grito empedrado de lado por suas invenções desmentidas.

(mais…)

Rosana Piccolo: Alla Prima (2019)

Publicitária e poeta paulistana, atualmente em Curitiba. Autora dos livros Ruelas profanas (Nankin, 1999), Meio-fio (Iluminuras, 2003), Sopro de vitrines (Alameda, 2010), Refrão da fuligem (Patuá, 2013), Bocas de lobo (Patuá, 2015), Alla Prima (Patuá, 2019), além da plaquete O pão (Lumme, 2017). Organizadora da antologia MedioCridade (Laranja Original), ao lado do poeta Rubens Jardim. Participação em diversas antologias e revistas de literatura do Brasil, Portugal, Espanha e Moçambique.



Os poemas a seguir foram selecionados da obra Alla Prima (Patuá, 2019).



DIÁRIO DO DIA


O dia chega aos trancos, nas presas da serra elétrica.
Com negra gordura vela o semáforo, britadeiras
latejam no chão difícil. Detém-se no arranha-céu.
E empilha suas dentaduras de prata.
Chega estridente. E vocifera, e machuca a manhã
de tímpanos frágeis. Na chaminé desabafa,
mistura gel e fumaça – penacho de pressa
nos cafés expressos.
O dia saliva nas filas. No comedouro do meio-dia
e meia, onde a carne esfria; e se requenta
em banho-maria.
E desaba. E pisoteia letreiros, esquinas desencantadas.
E se enrodilha nas placas como fio embaraçado. E se
estica, e se espicha e esgarça
meu coração aos soluços.
Enfim o rapto da noite – ascende em bicicletas
e pombos recolhidos – na praça dos meus lagos,
onde enterro o céu no chão.

(mais…)

Lucas Perito: 38 Movimentos (2018)

Lucas Perito (São Paulo, 1985). Poeta. Escreveu livros ligados a história e fotografia, fazendo os textos de acompanhamento para o livro fotográfico Caminhos da Mantiqueira (2011) de Galileu Garcia Junior. Publicou seu primeiro livro de poemas, 38 Movimentos, pela Lumme Editor (2018). Tem poemas publicados em algumas das principais revistas brasileiras, além de algumas revistas de Portugal, Espanha, Galícia, Colômbia e Peru.



Os poemas a seguir foram selecionados do livro 38 Movimentos (Lumme Editor, 2018).



A CAMINHO DE AXEL

“Que ele possa continuar a vencer
Tiamat e abreviar seus dias”


Bem escuro no fundo da noite sem fim
Começo narrando
Às margens do tempo
Um navio por casa
E uma tartaruga ao lado
Entre altas marés
E aves submersas
Este é o lugar dos relógios quebrados
Dos homens de areia
Da fome dos náufragos
Dos livros de cabeceira
Do acúmulo das coisas
Enterradas em um deserto.
Edificam-se os passos perdidos,
Incertos, caminho ao largo da ilha
Assumo a proa
Junto as palavras, faço o elo
“Detenham-me, sou tão belo”!
Era julho,
Não participou das alegrias de férias
Liderou uma turba de mortos
Sobre o azul do abismo
Mas o corpo não despertou
Do fundo da noite sem fim.

(mais…)