Elisa Andrade Buzzo: Notas errantes

Elisa Andrade Buzzo, formada em Jornalismo pela ECA-USP, estreou na literatura com os poemas de Se lá no sol (7Letras, 2005). Seu último livro de poesias, Vário som (Patuá, 2012), foi finalista do Prêmio Jabuti 2013 na categoria Poesia. Seus textos foram publicados em diversos livros, antologias e revistas literárias no Brasil e em países como Portugal, Espanha, Alemanha, México e Estados Unidos. Publicou o volume de crônicas Reforma na Paulista e um coração pisado (Oitava Rima, 2013).

 

Os poemas a seguir foram selecionados do seu novo livro Notas errantes (Patuá, 2017), a ser lançado em São Paulo no dia 10 de Junho, a partir das 19:00 horas, na Patuscada – Livraria, Bar e Café.

.

 
 

cortaram-lhe as asas
                                     e ainda assim tecia harmonias no chão
e agora fitaria não as copas mas bem de perto as folhas secas
e douradas pisoteadas na praça e se da pele tiraram-lhe
o sentir nisto também viu algo proveitoso pois assim passaria por
entre as folhas pontudas dos jardins misteriosos sem sentir dor
ciceroniaria as abelhas em seu desejo de pétalas e se dos olhos
lhe tirassem a visão haveria o silvo dos animais desses
sons absolutos haveria de evocar a forma viva dos seres e se então
por sua vez a audição lhe fosse destituída teria sua imaginação a lhe render
uma nascente cristalina de onde brotaria diariamente como um desejo indevido
ressurgido das pedras

  (mais…)

Ademir Assunção: A Voz do Ventríloquo

Ademir Assunção nasceu em Araraquara/SP (1961). É poeta, escritor, jornalista e letrista de música. Autor de livros de poesia, ficção e jornalismo, como Zona BrancaNinguém na Praia Brava e Faróis no Caos, ganhou o Prêmio Jabuti com A Voz do Ventríloquo (Melhor Livro de Poesia de 2012). Pig Brother, o livro seguinte, ficou entre os finalistas do Jabuti 2016.
 
 

foto: Fernanda Rudmer

 

Os poemas a seguir foram selecionados da obra A Voz do Ventríloquo (Edith Editorial, 2012).

 

 
 

BILLIE HOLIDAY
NA PORTA DOS FUNDOS
 
 

quanto abismo cabe
na palavra abismo,

quantos passos até a borda
da estrela-pantera-negra,

quantas brumas brancas,
quantos acordes de blues,

quantas noites sem sono
quantos abalos sísmicos

para sossegar o dragão
que cospe esse fogo azul

chamado névoa, vulcão,
solitude?

 
 

(mais…)

Annita Costa Malufe: Quando não estou por perto

Annita Costa Malufe (São Paulo, 1975) é autora dos livros de poemas Fundos para dias de chuva (7Letras, 2004), Nesta cidade e abaixo de teus olhos (7Letras, 2007), Como se caísse devagar (Ed.34/PAC, 2008), Quando não estou por perto (7Letras/Petrobras, 2012) e Um caderno para coisas práticas (7Letras, 2016). É doutora em Teoria e História Literária pela Unicamp e publicou os ensaios Territórios dispersos: a poética de Ana Cristina Cesar (Annablume/Fapesp, 2006) e Poéticas da imanência: Ana Cristina Cesar e Marcos Siscar (7Letras/Fapesp, 2011). Atualmente, é professora da pós-graduação (mestrado/doutorado) em Literatura e Crítica Literária da PUC-SP.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Quando não estou por perto (7Letras/Petrobras, 2012).

 

 

.

 

o dia terminando
numa batida monótona
som monótono de uma
britadeira som de uma voz
que repete não estou entendendo
o que você quer dizer com
isso a vontade encontrar uma
frase que resuma todas as
imagens todas as
cenas que se acumulam ao
redor luzes que
descem por detrás de um
prédio imaginário

 

 

(mais…)

Donny Correia: Zero nas veias

Donny Correia, poeta e cineasta, é mestre e doutorando em Estética e História da Arte pela USP e bacharel em Letras – tradutor e intérprete pelo Centro Universitário Ibero-Americano (Unibero). Realizou os curtas experimentais Anatomy of decay, Braineraser, Totem, este selecionado para a 34ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e Prêmio Canal Brasil, e In carcere et vinculis. Publicou os livros de poesia O eco do espelho (2005), Balletmanco (2009) e Corpocárcere (2013) e Zero nas veias (2015), além de ter organizado, junto com Marcelo Tápia a antologia Cinematographos de Guilherme de Almeida, para a Editora Unesp (2012). É coordenador de programação da Casa Guilherme de Almeida.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Zero nas veias (Patuá, 2015).

 

 

O PORÃO DAS CÉLUAS

 

para joão correia
para valdomiro boldrini
 

uma fila na farmácia pública:
um exército
de células vencidas se conforma

são semblantes e semblantes alquebrados
desprovidos e calados
nulos, retorcidos

imerso na inércia
à espera de uma senha

há uma espera que se sustenta
maior do que o tempo que lhes cabe
/ainda/

os tubos, as sondas, o pus
os desmaios
a vida se esvai
a vida /ex/ vai
no rebanho semimorto
na farmácia pública

(mais…)

Orides Fontela: Transposição

Orides Fontela, uma das mais importantes poetas contemporâneas brasileiras, nasceu em São João da Boa Vista (SP) no ano de 1940 e faleceu em Campos de Jordão (SP) em 1998. Mudou-se em 1967 para a capital paulista, onde cursou filosofia na Universidade de São Paulo. É autora dos livros de poesia Transposição (Instituto de Espanhol da USP, 1969), Helianto (Duas Cidades, 1973), Alba (Roswitha Kempf, 1983), Rosácea (Roswitha Kempf, 1986) e  Teia (Marco Zero, 1996). Sua obra foi reunida em 2015 pela editora Hedra, acrescida de poemas inéditos.

 


foto: Inêz Guerreiro

 

Os poemas a seguir foram selecionados do seu primeiro livro Transposição (Instituto de Espanhol da USP, 1969), cuja edição foi coorganizada por Davi Arrigucci Jr., amigo e conterrâneo da autora.

 

 

 

ARABESCO

 

A geometria em mosaico
cria o texto labirinto
intrincadíssimos caminhos
complexidades nítidas.

A geometria em florido
plano de minúcias vivas
a geometria toda em fuga
e o texto como em primavera.

A ordem transpondo-se em beleza
além dos planos no infinito
e o texto pleno indecifrado
em mosaico flor ardendo.

O caos domado em plenitude
                                                 a primavera.

 

(mais…)

Greta Benitez: Canção Antiqüe

Greta Benitez, autora do livro Canção Antiqüe, nasceu em Curitiba, no ano de 1971. Cresceu abençoada por intensos invernos, o que a fortaleceu para procurar o encontro com as palavras. Lançou Rosas Embutidas (Edição do Autor, 1999) e Café Expresso Blackbird (Landy, 2006). Foi publicada em revistas como Oroboro, Et Cetera e Continuum (Itaú Cultural). Também está em edições eletrônicas como Zunái, Germina e Escritoras Suicidas. Recebeu diversos prêmios em vários estados do Brasil e participa da antologia Todo Começo é Involuntário – A poesia brasileira no início do século 21 (Lumme, 2010), organizada por Claudio Daniel.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Canção Antiqüe (Patuá, 2013).

 

 

89

 

Sou tão velha que meus amantes já são nomes de ruas
Sou tão velha que minhas vontades já estão nuas
Sou tão velha que minhas verdades já são as suas.

Eu sou do tempo em que se fumava no cinema.

Sou tão velha que minha voz agora é boa para ler um poema.

Sou livre:
Posso fazer o que quiser que ninguém liga.

Parte de mim
Mora numa foto antiga.

(mais…)

Roberto Piva: Paranóia

Roberto piva (1937-210) é autor da plaquete Ode a Fernando Pessoa (Massao Ohno, 1961) e dos livros Paranóia (Massao Ohno, 1963), Piazzas (Massao Ohno, 1964), Abra os olhos e diga ah! (Massao Ohno, 1975), Coxas (Feira de Poesia, 1979), 20 Poemas com Brócoli ((Massao Ohno, 1981), Quizumba (Global, 1983) e Ciclones (Nankin, 1997), reunidos em três volumes pela editora Globo, sendo o último – Estranhos Sinais de Saturno – acompanhado de poemas inéditos. Marcada pelo experimentalismo, múltiplos diálogos e alta qualidade das imagens poéticas, sua obra é uma das mais intensas da poesia brasileira contemporânea.

 


foto: Wesley Duke Lee

 

Os poemas a seguir foram selecionados de Paranóia (Massao Ohno, 1963), seu livro de estreia.

 

 
 
 

PARANÓIA EM ASTRAKAN

 

Eu vi uma linda cidade cujo nome esqueci
         onde anjos surdos percorrem as madrugas e tingindo seus olhos com
                  lágrimas invulneráveis
         onde crianças católicas oferecem limões aos pequenos paquidermes
                  que saem escondidos das tocas
         onde adolescentes maravilhosos fecham seus cérebros para os telhados
                  estéreis e incendeiam internatos
          onde manifestos niilistas distribuindo pensamentos furiosos puxam
                  a descarga sobre o mundo
          onde um anjo de fogo ilumina os cemitérios em festa e a noite caminha
                  no seu hálito
          onde o sono de verão me tomou por louco e decapitei o Outono de sua
                  última janela
          onde o nosso desprezo fez nascer uma lua inesperada no horizonte
                  branco
          onde um espaço de mãos vermelhas ilumina aquela fotografia de peixe
                  escurecendo a página
          onde borboletas de zinco devoram as góticas hemorroidas
                  das beatas
          onde as cartas reclamam drinks de emergência para lindos tornozelos
                  arranhados
          onde os mortos se fixam na noite e uivam por um punhado de fracas
                  penas
          onde a cabeça é uma bola digerindo os aquários desordenados da
                  imaginação

(mais…)

Casé Lontra Marques

Casé Lontra Marques nasceu em 1985. Mora em Vitória (ES). Publicou Movo as mãos queimadas sob a água, Saber o sol do esquecimento e Mares inacabados, entre outros. Reúne o que escreve em caselontramarques.blogspot.com.br.

 

 

 
Respiração extática

 

 

— A — CORPO DE CONTENÇÕES:

 
 

Não me afasto da sua fala,
do sulco
na safra da sua fala

(enquanto
resisto ao emparedamento)

encontro
na sua voz uma vibração
longínqua
mas luminosamente tensa:

uma
vibração indecisa

sobretudo
quando adversa:

como conviver
com
a velhice — a minha velhice —

que
não quero decrépita?

cauterizar
as feridas que catalisam

a fossilização

(contra os rumores
de
seus remorsos)

repudiar
as pedras com que preenchemos

a boca
eliminando

as cinzas
de
nossa subsistência?

 
 
(mais…)