Claudinei Vieira: Olá, pequeno monstro do dia (2016)

Claudinei Vieira é autor de Desconcerto (contos, selo Demônio Negro, 2008), Yũrei, Caberê (poesia, editora Patuá, 2015), Olá, pequeno monstro do dia (poesia, editora Benfazeja, 2016), além de participação em várias antologias de contos e poesia. Organiza os Desconcertos de Poesia, em São Paulo.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Olá, pequeno monstro do dia (Benfazeja, 2016).

 

 

 

e se me fico assim
nessa espera doída de um abraço seu
dos que me acalentam
à borda do furacão
ou nessa angústia covarde
de que a ponta dos ossos de suas asas
arranhem minha alma já avariada

neste aguardo ansioso de sua língua fervente
a lamber meu corpo a me acalmar o sono
ou o medo pavor de que o bifurcado escaldante
queime arranque minha pele

e se me fico assim
com essas esperanças cegas
a me preparar para o pulo

 

PONTA DAS ASAS

(mais…)

Natalia Barros: Nuvens Ornamentais (2016)

Natalia Barros é poeta, cantora e paisagista. Nasceu em Santos em 1963. Trabalha com a palavra de diversas maneiras; publicou os livros Caligrafias (Edital Proac, 2011) e Nuvens ornamentais (Selo Demônio Negro, 2016), compôs diversas canções para o grupo LUNI e para seu trabalho solo como cantora, fez entrevistas para a rádio (CCSP)  com poetas e artistas, além do programa T42 no portal de literatura CRONÓPIOS. É uma das curadoras do projeto: LANDSCAPES | improvisos de poesia e música.

 


foto: Jaques Faing

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Nuvens ornamentais (Selo Demônio Negro, 2016).

 

 

 

DESDE DENTRO DESDE SEMPRE

 

pulso
frequência
oscilação
fluxo
propagação
amplitude
vibração
fusão

a caixa torácica abriga,
no espaço compreendido
pela curvatura das costelas,
entre o osso esterno
e a coluna vertebral:

02 pulmões
01 coração
37 ossos
01 onda do mar

 

 

 

(mais…)

Armando Freitas Filho: Anos 1990

Armando Freitas Filho nasceu em 1940 no Rio de Janeiro e estreou em 1963 com Palavras, editado por conta própria com ajuda do amigo José Guilherme Merquior. Escritor compulsivo, publicou e continua a publicar uma vasta obra poética, marcada pela  ampla imaginação e musicalidade em seus versos singularmente controlados. Dada a extensão e qualidade de seus livros, resolvemos dividi-los em uma série de postagens. Confira a primeira, referente aos livros dos anos 1960 e 1970, neste link e a segunda, referente aos livros dos anos 1980, neste link.

Para a publicação de hoje, selecionamos alguns dos nossos poemas preferidos de seus três livros lançados na década de 1990: Cabeça de homem (Nova Fronteira, 1991), Números anônimos (Nova Fronteira, 1994) e Duplo cego (Nova Fronteira, 1997).

 

 

poemas de Cabeça de homem (Nova Fronteira, 1991)

 

 

NU DE VERÃO SUBINDO A ESCADA

 

Os dias pegam fogo logo cedo
com o mar a um palmo
e a carvoaria das montanhas:
pedra bruta batendo forte
o tempo todo no azul
de um céu aberto a tudo.
A paisagem perde o fôlego
e cada hora que roda
é um degrau a mais
para o alto, um salto
de mercúrio na escada
que uma loura em falso
sobe, movida a oxigênio
ardendo mais que a outra
natural e desmaiada
porque por baixo, por dentro
o cabelo negro ferve
forçando e ferindo
com suas flores pretas
a carne clara
desde o carvão das raízes
até o ar livre da pele
até
que o mar e o céu
se encontrem decididos
depois de tanto ensaio
a fundo perdido no horizonte.

(mais…)

Mariana Payno: As ilhas não têm saída (2017)

Mariana Payno nasceu em Ribeirão Preto em 1992 e, desde 2010, vive em São Paulo. O apreço pelas palavras a fez jornalista, um pouco escritora e quase linguista. As ilhas não têm saída é seu primeiro livro de poesia.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados da obra As ilhas não têm saída (Editora Primata, 2017), disponível para compra neste link.

 

 

NAUFRÁGIO

 

a gente sentia que
o seu lugar era perto do mar
e meu o calor das suas vísceras
doentes

deita seus olhos fechados sobre mim
consegue respirar o que restou?
deita fora o que não foi

embarca no tempo do náufrago

escuridão
passiva
arrancada
do colo das ondas

o mar não engole suas costas
mas quase
preferia morrer no mar?

a melancolia da água
a solidão das âncoras
o mapa dos polvos
o som surdo das algas
a anatomia das conchas no ouvido

minha última voz perdida
nas suas redes frouxas

você ouviu?

o seu lugar era perto do mar
e o que restou a gente deita fora
onde agora piso
às cegas
a fundo

afoga.

(mais…)

Diogo Cardoso: Sem lugar a voz (2016)

Diogo Cardoso é bacharel em Letras pela Universidade de São Paulo. Participou de diversos projetos literários, dentre eles o sarau Faça pArte, em parceria com o departamento de cultura de São Bernardo do Campo, Leitores itinerantes, sob curadoria de Tarso de Melo e foi um dos curadores do projeto Clarice Lispector:. Frequentou 
diversas oficinas literárias, dentre elas Tantas Letras, sob coordenação de Tarso de Melo, e de Criação poética, 
sob coordenação de Claudio Willer. Têm publicações em diversas revistas literárias, impressas e virtuais, dentre as quais Polichinello, Zunái, Mallarmargens e O Cacto. Atualmente, é integrante do coletivo Tantas Letras.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Sem lugar a voz (Dobradura Editorial, 2016).

 

 

 

 

OS FOGOS

 

 

minha voz grita
a distância que seus cabelos
cantam fogos ateados.

o grito bate nos cabelos,
voz de fogo ardendo púrpura em sua
boca que guarda esse meu grito oco.

longe.

o desespero queima as idades,
meu grito estancado no vento
onde seus cabelos deitam
carícias que minha voz guarda silêncios.
– seus cabelos de rosáceas mudas.

grito o desespero oblíquo de não tocar-me

os seus cabelos que não
me batem luzes líquidas
a sua boca que guarda
em mim o seu silêncio

– grito que seus cabelos em minha boca
sepultam

o que de ti me calo

(mais…)

Josely Vianna Baptista (2017)

Josely Vianna Baptista é autora dos livros de poesia Ar (1991), Corpografia (com Francisco Faria, 1992), Outro (em parceria com Maria Angela Biscaia e Arnaldo Antunes, 2001), Sol sobre nuvens (2007) e Roça barroca (2011), além da Fábula. NADA ESTÁ FORA DO LUGAR. Poema arborescente, plaquete recentemente lançada pelo selo Demônio Negro. Nos anos 1990, criou a coleção Cadernos da Ameríndia, dedicada a temas do repertório cultural e textual de etnias indígenas sul-americanas.

Os poemas a seguir foram selecionados a partir da coleção Antologia postal, belo e importante projeto da editora Azougue, em parceria com a Cozinha Experimental, que publica mensalmente, por assinatura, expressivos nomes da poesia brasileira contemporânea.

 

 

 

ROÇA BARROCA

As almas são visíveis em forma de sombras.
Da religião Guarani, via Schaden

 

viu o primeiro sol
depois do inverno
desembrulhar, folho por
folho, os rebentos

em cada greta
e grumo
do terreno
foi descobrindo
grelos
e vergônteas,
ocelos verdes
e outros
arremedos

no alfobre
farto de bolor
e mofo,
sobre os sulcos
cheios
de refolhos
– em cada covo
um eco de silêncio,
a própria sombra
um paroxismo
de roxos

  (mais…)

Fabio Weintraub: Falso trajeto (2016)

Fabio Weintraub é autor dos livros de poemas Sistema de erros (Arte Pau-Brasil, 1996), Novo endereço (Nankin/Funalfa, 2002), Baque (Editora 34, 2007), Treme ainda (Editora 34, 2015) e Falso trajeto (Patuá, 2016). Psicólogo e doutor em Letras pela Universidade de São Paulo, realizou pesquisa sobre representações do espaço urbano na poesia brasileira pós-1990. 
 
Os poemas a seguir foram selecionados do livro Falso trajeto (Patuá, 2016), antologia com cinquenta poemas, sendo dez inéditos.
 
 
 

PRAZER

 
 

mesmo deste jeito
deitada de bruços
com a luz apagada
a salvo dos chamados
surda ao telefone
à campainha
insensível aos apelos e desvelos
dos que me cercam e alimentam
mesmo engolindo rápido
sem dentes
a refeição como quem
se livra de um compromisso
mesmo esquecendo
o nome do presidente
o dia da semana, o mês do ano
o nome do lugar
em que você trabalha
da rua onde eu moro
da moça que me ajuda
mesmo me libertando
das poucas obrigações
(esticar as pernas
escovar o cabelo
limpar a merda
que às vezes escapa
por causa do remédio novo
pra não perder a memória)
mesmo cada vez mais distante
da oportunidade
de transmitir um legado
a quem me assiste e sucede
nesta comédia cujo roteiro
é refeito a todo momento
por exigência
do desprezível público
que aplaude sem critério
e ri nos momentos mais pungentes
mesmo agora, aqui
fazendo essa pontinha
aguardando de novo
a minha deixa
mínima
antes que caia o pano
e no programa meu nome
seja corrigido
ainda assim, eu aqui
imóvel no escuro do escuro
com voz consumida
nisso tudo ainda sinto
um grande
enorme
prazer
 
 

(mais…)

Elisa Andrade Buzzo: Notas errantes (2017)

Elisa Andrade Buzzo, formada em Jornalismo pela ECA-USP, estreou na literatura com os poemas de Se lá no sol (7Letras, 2005). Seu último livro de poesias, Vário som (Patuá, 2012), foi finalista do Prêmio Jabuti 2013 na categoria Poesia. Seus textos foram publicados em diversos livros, antologias e revistas literárias no Brasil e em países como Portugal, Espanha, Alemanha, México e Estados Unidos. Publicou o volume de crônicas Reforma na Paulista e um coração pisado (Oitava Rima, 2013).

 

Os poemas a seguir foram selecionados do seu novo livro Notas errantes (Patuá, 2017), a ser lançado em São Paulo no dia 10 de Junho, a partir das 19:00 horas, na Patuscada – Livraria, Bar e Café.

.

 
 

cortaram-lhe as asas
                                     e ainda assim tecia harmonias no chão
e agora fitaria não as copas mas bem de perto as folhas secas
e douradas pisoteadas na praça e se da pele tiraram-lhe
o sentir nisto também viu algo proveitoso pois assim passaria por
entre as folhas pontudas dos jardins misteriosos sem sentir dor
ciceroniaria as abelhas em seu desejo de pétalas e se dos olhos
lhe tirassem a visão haveria o silvo dos animais desses
sons absolutos haveria de evocar a forma viva dos seres e se então
por sua vez a audição lhe fosse destituída teria sua imaginação a lhe render
uma nascente cristalina de onde brotaria diariamente como um desejo indevido
ressurgido das pedras

  (mais…)

Ademir Assunção: A Voz do Ventríloquo (2012)

Ademir Assunção nasceu em Araraquara/SP (1961). É poeta, escritor, jornalista e letrista de música. Autor de livros de poesia, ficção e jornalismo, como Zona BrancaNinguém na Praia Brava e Faróis no Caos, ganhou o Prêmio Jabuti com A Voz do Ventríloquo (Melhor Livro de Poesia de 2012). Pig Brother, o livro seguinte, ficou entre os finalistas do Jabuti 2016.
 
 

foto: Fernanda Rudmer

 

Os poemas a seguir foram selecionados da obra A Voz do Ventríloquo (Edith Editorial, 2012).

 

 
 

BILLIE HOLIDAY
NA PORTA DOS FUNDOS
 
 

quanto abismo cabe
na palavra abismo,

quantos passos até a borda
da estrela-pantera-negra,

quantas brumas brancas,
quantos acordes de blues,

quantas noites sem sono
quantos abalos sísmicos

para sossegar o dragão
que cospe esse fogo azul

chamado névoa, vulcão,
solitude?

 
 

(mais…)