Camila Assad: eu não consigo parar de morrer (2019)

Camila Assad nasceu em Presidente Prudente (SP) em 1988. É autora de Cumulonimbus (Quintal Edições, 2017), eu não consigo parar de morrer (Editora Urutau, 2019) e foi contemplada pelo ProAC/SP com a obra Desterro, a ser lançada na FLIP pelas Edições Macondo.




Os poemas a seguir foram selecionados do livro eu não consigo parar de morrer (Editora Urutau, 2019)




.


Eu moro nos atrasos

e por isso ninguém nunca

                      me encontra

Eu me exilo no bolso

rasgado do teu terno azul

– aquele reservado para os

velórios dos parentes distantes

Eu sou minúscula

por vezes

  invisível

Eu moro na poeira

oculta dos idiomas

                  extintos

Eu submerjo das águas

da fonte central

da cidadela de

três mil membros

– dizimada há

mais de meio século

Quando fito o espelho

nem me percebo

sou maleável, sou

um elástico de cabelo

desses que se perde um por dia

                                        por aí


(mais…)

Roberto Piva: 20 Poemas com Brócoli (1981)

Roberto Piva (1937-210) é autor da plaquete Ode a Fernando Pessoa (Massao Ohno, 1961) e dos livros Paranóia (Massao Ohno, 1963), Piazzas (Massao Ohno, 1964), Abra os olhos e diga ah! (Massao Ohno, 1975), Coxas (Feira de Poesia, 1979), 20 Poemas com Brócoli ((Massao Ohno, 1981), Quizumba (Global, 1983) e Ciclones (Nankin, 1997), reunidos em três volumes pela editora Globo, sendo o último – Estranhos Sinais de Saturno – acompanhado de poemas inéditos. Marcada pelo experimentalismo, múltiplos diálogos e alta qualidade das imagens poéticas, sua obra é uma das mais intensas da poesia brasileira contemporânea.




Os poemas a seguir foram selecionados de 20 Poemas com Brócoli ((Massao Ohno, 1981), quinto livro do poeta. Confira as postagems sobre suas outras obras neste endereço.



VI

o cacique tomava chá com seu corpo pintado.
                        o pajé dançava com a casca do
                                   gambá.
                        você brincava com meu caralho.
                                   Macunaíma & Alice no país da
                                                          Cobra Grande.
                                      mesma estrutura narra-ação &
                                                      barroco elétrico pinçando
                                                         estilhaços de visões.
                                           palmeiras de cobre.
                                                         meu cu como bandeira
                                            do navio pirata.
                                                a lua começa a cantar.


(mais…)

Carlos Orfeu: Nervura (2019)

Carlos Orfeu, nasceu em Queimados. É devoto das artes, sobretudo, da literatura e poesia. Publica em blogs pessoais, revistas e blogs literários. O poeta em 2017 lançou o livro invisíveis cotidianos pela editora Literacidade.

foto: Pierre Crapez

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Nervura (Patuá, 2019).




FERIDAS

I

a boca do sol abre as vísceras da manhã
feridas abrem o pulmão do pássaro
do sangue nutrido na fome
floresce a árvore com suas cabeças

saudando a tudo que nasce e morre


(mais…)

Luís Perdiz: Visão incurável (2018)

Luís Perdiz publicou os livros Saudade mestiça (Patuá, 2016) e Visão incurável (Ed. Lab: Demônio Negro/Hedra, 2018), que integra a coleção Vozes contemporâneas, coordenada por Claudio Willer.

Cantor e compositor no grupo Estranhos no Ninho, é também um dos fundadores e editores do portal de literatura Poesia Primata e da Editora Primata.

Nasceu em Campinas (SP) e prepara seu novo livro, contemplado com Prêmio ProacSP de Criação e Publicação Literária.




Os poemas a seguir foram selecionados do livro Visão incurável (Ed. Lab: Demônio Negro/Hedra, 2018).




comprar livro



NENHUM JARDIM


nenhum jardim
cadência turva
poças de espera

nenhum jardim
extermínio rente
seiva expatriada

nenhum jardim
marchas financeiras
casos isolados

nenhum jardim
florescências sagradas
aqui pisoteadas

nenhum jardim
quinhentos anos
não bastaram


(mais…)

Hilda Hilst: anos 1980

Hilda Hilst nasceu em Jaú (SP) em 1930 e faleceu em Campinas (SP) em 2004. Uma das mais importantes escritoras brasileiras do século XX, publicou vasta e versátil obra nos gêneros da poesia, da ficção, da crônica e da dramaturgia.


Realizaremos um breve panorama de sua trajetória poética, dividido em 5 postagens. Confira as 3 primeiras publicação, relacionados aos livros dos anos 1950, 1960 e 1970, neste endereço.

Desta vez, selecionamos poemas de suas obras dos anos 1980: Da Morte. Odes mínimas (1980), Cantares de perda e predileção (1980), Poemas malditos, gozosos e devotos (1984), Sobre a tua grande face (1986) e Amavisse (1989).


Da Morte. Odes mínimas (1980)




.

Rinoceronte elefante
Vivi nos altos de um monte
Tentando trazer teu gesto
Teu horizonte
Para o meu deserto.

(mais…)

Jorge Mautner: Poesias de Amor e de Morte (1981)

Jorge Mautner (Rio de Janeiro, 1941) trouxe inúmeras contribuições para a cultura brasileira. Em tudo que produz, há uma notável correlação de temas e ideias: o Kaos.

Multifacetado, em 1968 roteirizou Jardim de Guerra, filme de Neville d’Almeida. Dois anos depois, em 1970, dirigiu o longa metragem O Demiurgo. Na música, concebeu muitos discos, dentre eles Jorge Mautner (1974) e Revirão (2007), e teve sucessos gravados por grandes nomes da MPB como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa e Chico Science & Nação Zumbi.

Na literatura, estreou bem cedo, aos 21 anos, com Deus da chuva e da morte (1962), obra agraciada com o Prêmio Jabuti, seguida de diversos livros, dentre os quais Vigarista Jorge (1965), Panfletos da Nova Era (1978) e Miséria Dourada (1993).

De modo geral, Mautner esteve presente nos mais relevantes movimentos culturais brasileiros das últimas 5 décadas, seja por meio de sua literatura, por suas composições ou pelas forças de sua presença e ideias.


Os poemas a seguir foram selecionados do livro Poesias de Amor e de Morte (1981).



ITENS DO MOVIMENTO UNIVERSALISTA DO KAOS


1) É um movimento nacionalista e universal. Daí nascerá o PK, ou seja: PARTIDO DO KAOS
2) As primeiras definições teóricas estão em toda a obra poética-literária-filosófica-musical de Jorge Mautner.
Nota: urgente como primeiríssima tarefa publicar as obras completas (literárias e musicais) de Jorge Mautner. Livros e Lps.
3) O item três é épico-pitagórico e representa a tese-síntese-antítese: O Pai, o Filho Espírito Santo. Mas em nosso movimento totalizante o número 3 é ainda a pirâmide, o triângulo sexual do Id, o pai, a mãe e o filho-filha, o ego, superego e inconsciente. Ou ainda: o Movimento Universalista do Kaos, o Partido do Kaos, e o instituto plurimetafísico do Kaos é o maracatu atomizante em forma de pororoca que nem o gigantesco encontro de potencialidade do Amazonas com o mar.
4) O item 4 é também sagrado, aliás todos os números são. Incluída na filosofia do Kaos com K, a numerologia, a cabala, astrologia, telepatia, empatia e toda e qualquer fenomenologia, a psicanálise freudiana e a de todos dissidentes (ênfase em Marcuse, Normam O. Brown, Otto Ranck, Carl Jung, Ferensky, Geza Roheim e, claro, Wilhelm Reich.
O número 4 é a harmonia total, que é a reprodução em contraponto de dois, o par, o amor, o 4 é o acréscimo dos dois alter-egos em dança total permanente. O item quatro é, sem dizer nada, mistério total e absoluto. É ótimo para rituais e festividades e meditações silenciosas e/ou musicais para exorcizar grilos, pessimismos, bodes ou satanismos agressivos como por exemplo: bombas de terror da esquerda, do centro ou da direita. O quatro é o repúdio que a bandeira da paz do Kaos faz e assim navega tranquilo em ritmo Axé-Odara e apazigua os demônios. Contrapontos e mistério primeiro da descoberta da quarta dimensão.
5) O número cinco é para designar que todas as minorias pertencem ao MUK: (Movimento Universalista do Kaos). As sociais, as espirituais, as negras, mulatos, cafuzos, mamelucos, místicos, mulheres, homossexuais, bissexuais, pansexuais, sado-masoquistas, etc…
6) O item sexto é para dizer que é tudo mais ou menos 73% em ondas sonoras-musicais. A comunicação total!

(mais…)

Lubi Prates: um corpo negro (2018)

Lubi Prates (1986, São Paulo, Brasil) é poeta, editora e tradutora. Tem três livros publicados: coração na boca (2012), triz (2016) e um corpo negro (2018), que foi contemplado pelo PROAC com bolsa de criação e publicação de poesia. É sócia-fundadora e editora da nosotros, editorial, e é editora da revista literária Parênteses.





Os poemas a seguir foram selecionados da obra um corpo negro (nosotros, editorial,2018).





NÃO FOI UM CRUZEIRO


meu nome e
minha língua

meus documentos e
minha direção

meu turbante e
minhas rezas

minha memória de
comida e tambores

esqueci no navio
que me cruzou
o Atlântico.


(mais…)

Sergio Mello: Puma (2018)

Sergio Mello nasceu em São Paulo, em 1977. É autor de No Banheiro um Espelho Trincado (Ciência do Acidente, 2004), Inimigo em Testamento (Soul Kitchen Books, 2013) e Puma (Corsário-Satã, 2018). Além de poeta, é roteirista e dramaturgo.




Os poemas a seguir foram selecionados do livro Puma (Corsário-Satã, 2018).


PADARIA POLÍCIA


hora da pele
cujo entorno
é quase vegetal a manhã

muro de nata
ao planetário de traumas
diadema da íris

pé avelado
que desperta o gramado leste
entre o sumo e a gávea

(mais…)

Francesca Angiolillo: Etiópia (2017)

Francesca Angiolillo (Niterói, 1972) é arquiteta, jornalista e tradutora. Em 2017, estreou na poesia com dois volumes editados pela 7Letras, Rua Lisboa, que saiu na coleção Megamíni, e Etiópia, vencedor do Prêmio Alphonsus de Guimaraens da Biblioteca Nacional em 2018.




Os poemas a seguir foram selecionados de Etiópia (7Letras, 2017).




ETIÓPIA, ETIÓPIA


Etiopía era a estação
de metrô da minha casa
quando eu me mudei daqui –
você logo
se lembrou
da Etiópia.
A estação de metrô tinha
uma cabeça de leão
como emblema
a sua Etiópia tinha
um filhote de chacal e
um imperador
segurando o filhote de animal
uma pedra no anel
no dedo do imperador
sobre a cabeça do filhote
– nela brilhava o sol.
O fascismo que você
deplorou do alto
de seus oito anos
na fila do leite
porque leite não havia
ergueu cidades
na Etiópia.
(No ano em que você nasceu
o imperador foi eleito
homem do ano
da Time Magazine;
depois disso
bem depois um tanto depois de
nascida eu
outras crianças passaram fome
sem direito a fila
no vale do rio Omo.)
Nunca soube das cidades
que você não ergueu
nas terras de Afar
onde Lucy nossa mãe
até hoje está
mas sei da pedra do anel
no dedo de
Haile
Selassie
como se eu estivesse lá
como se eu fosse você.

Sua Etiópia hoje é
uma fotografia
– nela você aparece
cercado de gente
negra pintada –
guardada
numa caixa
de papelão.


(mais…)

Roberto Piva: Coxas (1979)

Roberto Piva (1937-210) é autor da plaquete Ode a Fernando Pessoa (Massao Ohno, 1961) e dos livros Paranóia (Massao Ohno, 1963), Piazzas (Massao Ohno, 1964), Abra os olhos e diga ah! (Massao Ohno, 1975), Coxas (Feira de Poesia, 1979), 20 Poemas com Brócoli ((Massao Ohno, 1981), Quizumba (Global, 1983) e Ciclones (Nankin, 1997), reunidos em três volumes pela editora Globo, sendo o último – Estranhos Sinais de Saturno – acompanhado de poemas inéditos. Marcada pelo experimentalismo, múltiplos diálogos e alta qualidade das imagens poéticas, sua obra é uma das mais intensas da poesia brasileira contemporânea.




Os poemas a seguir foram selecionados de Coxas (Feira de Poesia, 1979, quarto livro do poeta. Confira as postagems sobre suas outras obras neste endereço.




SBORNIA FILAMENTOSA


O pitecantropus as cidades gregas as doces cobaias
requentadas & comidas nas favelas o divã da histeria
relembrando sonhos tribais fuxico do chefe sandálias
desafiveladas na casa das máquinas o prédio é de Maria-
Mole onde roncam cascavéis humanas minha mão é deus
passo decisivo para el tránsito del mono al hombre
miniatura da linguagem ruborizada Macunaíma-Pop
aventais de luxo balançam nos varais de Cobra Norato
Panis angelicus você sabia que Simão o Caolho vem para
jantar? por que não o bispo de Berlim? a cicuta é grátis o
corvo nada entende de política o jaburu come picadinho &
tira a bengala do ar igapós sonham com coalhada a menina
ficou atrapalhada na casa das máquinas tenebroso
impeachment do caos Engels de turbante & su Dialectica de
la Naturaleza (que Polén leu chapado nas montanhas de
Atibaia) cantando um agente da CIA de chuteiras
cidades de metal precário um quimono para o Príncipe das
Trevas dos ovos saltaram duas anãs obscenas que acenaram
lenços alaranjados & partiram para sempre em direção à
curva de nível. Deus é quimbandeiro.




(mais…)