Orides Fontela: Alba (1983)

Orides Fontela, uma das mais importantes poetas contemporâneas brasileiras, nasceu em São João da Boa Vista (SP) no ano de 1940 e faleceu em Campos de Jordão (SP) em 1998. Mudou-se em 1967 para a capital paulista, onde cursou filosofia na Universidade de São Paulo. É autora dos livros de poesia Transposição (Instituto de Espanhol da USP, 1969), Helianto (Duas Cidades, 1973), Alba (Roswitha Kempf, 1983), Rosácea (Roswitha Kempf, 1986) e  Teia (Marco Zero, 1996). Sua obra foi reunida em 2015 pela editora Hedra, acrescida de poemas inéditos.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do seu terceiro livro Alba (Roswitha Kempf, 1983). Confira a postagem sobre suas outras obras neste endereço.

 

ALBA

 

I

Entra furtivamente
a luz
surpreende o sonho inda imerso
na carne.

II

Abrir os olhos.
Abri-los
como da primeira vez
– e a primeira vez
é sempre.

III

Toque
de um raio breve
e a violência das imagens
no tempo.

 

IV

Branco
sinal oferto
e a resposta do
sangue:
AGORA!

 

(mais…)

William Soares dos Santos: Poemas da meia-noite (e do meio-dia) (2017)

William Soares dos Santos (1972), é carioca, professor da UFRJ e escritor. Dentre os seus trabalhos literários se destacam o livro de contos Um Amor e os livros de poesias Rarefeito e Poemas da meia-noite (e do meio-dia), livro ganhador do Prêmio PEN Clube do Brasil para livros de poesias publicados em 2017. Página do autor: http://williamsoaresdossantos.com.br.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Poemas da meia-noite (e do meio-dia) (Editora Moinhos, 2017).

 

 

OS ELEFANTES

 

Quem
defenderá a vida dos elefantes
quando a África sangrar?

Quem,
no meio da floresta adentro,
enfrentará a tormenta das noites
sem sono e dos dias sem lembrança?

Quem
preservará a memória dos elefantes?

Quem
ouvirá o seu canto inaudível e
fará revelar os antigos caminhos
pelos quais a matriarca da manada
guiaria seus filhos
ao antigo e derradeiro lugar
dos seus ancestrais?

Quem
chorará, como choram os elefantes,
diante do corpo sagrado da matriarca
a repousar em meio à relva que,
pouco a pouco, a resguarda
em seu irremediável
destino?

Quando
seremos como os elefantes
e arrancaremos de nós toda a
ganância, todo o ódio, toda a fúria
que nos faz infimamente pequenos
diante da grandeza,

infinita
grandeza,

dos elefantes?

 

(mais…)

Thiago Scarlata

Thiago Scarlata (1989) é poeta, músico, escritor e criador/editor do Blog Literário Croqui. Teve poemas traduzidos para o espanhol, publicados em antologias e também nas Revistas Gueto, Escamandro, Mallarmagens, Monolito, Incomunidade, Janelas em Rotação, Poesia Brasileira Hoje, O poema do poeta, Poesia Avulsa, Literatura&Fechadura, Vero o Poema, Carlos Zemek, MOTUS, Jornal Correio Braziliense, Jornal RelevO, além de blogs literários. Foi finalista do PRÊMIO SESC DE LITERATURA 2016 e vencedor do CONCURSO MOTUS – MOVIMENTO LITERÁRIO DIGITAL 2017. É autor do livro de poesia Quando Não Olhamos o Relógio, Ele Faz o Que Quer Com o Tempo (Editora Multifoco, 2017) e prepara seu novo livro “Salobre”, que sairá pela Editora Urutau.

E-mail: [email protected] / [email protected]

 

 

FEIJOADA

 

trinta e seis horas ou mais

isso é o indicado

para tirar do porco

o que é do porco

 

um dia e meio

intermitentemente

trocando água

 

quanto mais dessalgado

menos aquele pedaço de orelha

ofende o paladar

e quanto mais cozido

menos incomum

 

a colher de pau

meneia em caldo denso,

pedaçudo,

enquanto o bacon

enruga na frigideira

 

o que ocorre durante

a pressão da panela

é o êxodo

da alma do ex-animal

disparada no vapor frenético

daquela chaminé

 

depois da tormenta,

abrimos a panela

e o que era pé, rabo,

língua e lombo,

deformou-se entre caroços

absorvendo uma cor escura

numa forçada comiseração

ante à nossa

 

cega

 

fome

 

 

(mais…)

Suzel Domini: Entre presa & fera (2018)

Suzel Domini é paulista, lua em virgem, fotógrafa amadora e viajante solitária. Professora e pesquisadora da área de literatura por formação e profissão. Poeta de notas curtas em velhas cadernetas (aliás, nas horas mais inoportunas) por sobrevivência ou infortúnio. De patins rosa magenta e spectrespecs deslizando a toda na contramão, desde 1988.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Entre presa & fera (Patuá, 2018).

 

 

LOUBOUTIN NUDE SALTO 15

 

meu sangue negroamaro circula em vibrato
pelos veios y vielas de sevilha
sou carmen distraída avant la tragédie
um corpoalma sol em fogo
namoriscando signos carnívoros

*

antes de entranhar a escuridão
atiro aos gatos um beijo de ruby woo
(querendo se dissimulados y oblíquos
meus lábios ébrios contornam o abismo)

 

(mais…)

Leonardo Antunes: João e Maria: Dúplice coroa de sonetos fúnebres (2017)

Leonardo Antunes, autor do livro João e Maria: Dúplice coroa de sonetos fúnebres (Patuá, 2017), é poeta, tradutor e professor de Língua e Literatura Grega na UFRGS. Nasceu em São Paulo, em 1983, e fez graduação, mestrado e doutorado na USP. Em 2012, publicou sua dissertação de mestrado, Ritmo e sonoridade na poesia grega antiga: uma tradução comentada de 23 poemas, em que traduziu uma coleção de poetas gregos antigos, como Safo, Anacreonte, Arquíloco e Píndaro. Atualmente trabalha em uma tradução rítmica e musicada para o Édipo Rei, de Sófocles, e na edição da poesia completa de Anacreonte e dos Hinos Homéricos.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro João e Maria: Dúplice coroa de sonetos fúnebres (Patuá, 2017). A obra é composta de duas coroas de sonetos e, nesta publicação estão três sonetos consecutivos da segunda coroa – Maria.

 

 

I

 

Maria trabalhava todo dia
Das catorze às dezoito, com direito
A um suco de laranja e um prato feito
Assim que ela chegasse, ao meio-dia.

Depois que ela almoçava então vestia
Seu uniforme, punha sobre o peito
O crachá com seu nome rarefeito
E registrava o horário em que o fazia

Tinha três filhos, uma mãe doente,
Dois cachorros sem raça definida
E um barraco não seu, mas alugado.

Por isso, sujeitava-se, temente,
Àquilo, porque assim ganhava a vida
Num açougue nos fundos do mercado.

 

(mais…)

Lilian Sais: Passo imóvel (2018)

Lilian Sais é escritora e uma das fundadoras da plataforma de ensino Literartéria. Doutora em Letras e pesquisadora e tradutora da área de grego antigo, é paulistana de nascença e fumante assídua por opção. Leitora voraz da literatura brasileira contemporânea, gosta de samba, cerveja e poesia e é defensora da boemia, de piadas ruins e das conversas descompromissadas de mesa de bar. Os amigos dizem que é uma peste, mas que cozinha bem. Ela nega.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados da obra Passo imóvel (Editora Cozinha Experimental, 2018).

 

 

.

 

há ausências demais
no entorno da mesa,

como cubos mágicos
só montáveis
por daltônicos:

desses labirintos
só saio
com venda

 

(mais…)

Roberto Piva: Piazzas (1964)

Roberto Piva (1937-210) é autor da plaquete Ode a Fernando Pessoa (Massao Ohno, 1961) e dos livros Paranóia (Massao Ohno, 1963), Piazzas (Massao Ohno, 1964), Abra os olhos e diga ah! (Massao Ohno, 1975), Coxas (Feira de Poesia, 1979), 20 Poemas com Brócoli ((Massao Ohno, 1981), Quizumba (Global, 1983) e Ciclones (Nankin, 1997), reunidos em três volumes pela editora Globo, sendo o último – Estranhos Sinais de Saturno – acompanhado de poemas inéditos. Marcada pelo experimentalismo, múltiplos diálogos e alta qualidade das imagens poéticas, sua obra é uma das mais intensas da poesia brasileira contemporânea.

 


foto: Claudio Willer

 

Os poemas a seguir foram selecionados de Piazzas (Massao Ohno, 1964), segundo livro do poeta. Confira a postagem sobre o Paranóia (Massao Ohno, 1963), seu livro de estreia, neste endereço.

 

 

 

PIAZZA I

Uma tarde
            é suficiente para ficar louco
ou ir ao Museu ver Bosch
               uma tarde de inverno
   onde garòfani            milk-shake e Claude
                                               obcecado com anjos
            ou vastos motores que giram com
                                                                 uma graça seráfica
                                               tocar o banjo da Lembrança
sem o amor encontrado            provado            sonhado
                                      &       longos  viveiros municipais
                          sem procurar compreender
                                      imaginar
                                               a medula sem olhos
                       ou pássaros virgens
                                   aconteceu que eu revi
                    a simples torre mortal do Sonho
                                                 não com dedos reais & cilíndricos
Du Barry          Byron                   Marquesa de Santos
        Swift                       Jarry                   com barulho
                                                     de sinos nas minhas noite de bárbaro
         os carros de fogo
                                    os trapézios de mercúrio
         suas mãos escrevendo & pescando
                                                         ninfas escatológicas
pequenos canhões do sangue & os grandes olhos abertos
                                      para algum milagre da Sorte
 

 

(mais…)

Tarso de Melo: Íntimo Desabrigo (2017)

Tarso de Melo (Santo André, 1976) é poeta, autor de A lapso (1999), Carbono (2002), Planos de fuga e outros poemas (2005), Lugar algum (2007), Exames de rotina (2008) e Caderno inquieto (2012), reunidos atualmente no volume Poemas 1999-2014 (2015). Seus livros mais recentes são Íntimo desabrigo (2017) e, com Carlos Augusto Lima, Dois mil e quatrocentos quilômetros, aqui (2018). É também advogado e professor, doutor em Filosofia do Direito pela Universidade de São Paulo.

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro Íntimo desabrigo (Alpharrabio Edições e Dobradura Editorial, 2017).

 

TARDE

 

para o Pucheu,
como um tow-in entre as palavras

 

O velho surfista diz
que sentir a onda nascendo
sob a água, ainda longe,
é como sentir pulsar
o coração da terra.

Aqui, sem mar, mergulho
nas ondas do asfalto,
conto as gotas de sangue
anônimas nas calçadas

e é como se o mundo
desistisse de respirar.

 

(mais…)

Ellen Maria: Gravidade (2018)

Autora dos livros de poemas Gravidade (Patuá, 2018) e Chacharitas & gambuzinos (Patuá, 2015 – edição bilíngue), Ellen Maria Martins de Vasconcellos veio de Santos. Mestre em Letras na USP; hoje é doutoranda e trabalha como editora de livros didáticos e paradidáticos. Publicou poemas em diversas antologias e revistas impressas e digitais, nacionais e estrangeiras. Também é tradutora freelancer e seus trabalhos mais relevantes também são na área da poesia. É fanática pela literatura latino-americana, pelo cinema oriental e pela culinária do mundo todo. Acredita em fantasmas e desconfia dos vivos. Enxerga muito bem, mas às vezes fecha os olhos. Definitivamente, não tem o coração de pedra.
Portfólio e contato: ellenmartins.wixsite.com/home

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do seu livro Gravidade (Patuá, 2018).

 

 

GRAVIDADE

 

onde caem as maçãs
jaz a teoria
quanto pesa um corpo
quando ainda é
semente?

 

(mais…)

Wilson Alves-Bezerra: Vertigens (2015)

Wilson Alves-Bezerra é escritor, tradutor, crítico literário e professor de literatura.

É autor dos seguintes ensaios: Reverberações da fronteira em Horacio Quiroga (Humanitas/FAPESP, 2008) e Da clínica do desejo a sua escrita (Mercado de Letras/FAPESP, 2012); e das seguintes obras literárias: Histórias zoófilas e outras atrocidades (contos, EDUFSCar / Oitava Rima, 2013), Vertigens (poemas em prosa, Iluminuras, 2015, que recebeu o Prêmio Jabuti 2016) e O Pau do Brasil (poemas em prosa, Urutau, 2016).

Atua também como tradutor literário: traduziu autores latino-americanos como Horacio Quiroga (Contos da Selva, Cartas de um caçador, Contos de amor de loucura e de morte, todos pela Iluminuras) e Luis Gusmán (Pele e Osso, Os Outros, Hotel Éden, ambos pela Iluminuras). Sua tradução de Pele e Osso, de Luis Gusmán, foi finalista do Prêmio Jabuti 2010, na categoria Melhor tradução literária espanhol-português.

Como resenhista, atualmente colabora com O Estado de S. Paulo, O Globo e El Universal (México). É doutor em literatura comparada pela UERJ e mestre em literatura hispano-americana pela USP, onde também se graduou. É professor de Departamento de Letras da UFSCar, onde atua na graduação e no mestrado. Foi coordenador de cultura da UFSCar, de 2013 a 2016.

 


foto: Mariana Ignatios.

 

Os poemas a seguir foram selecionados do seu livro Vertigens (Iluminuras, 2015).

 

 

I.

 

O oxímoro dos seus seios vejo da fresta do meu
olho esquerdo, enquanto passa a página. Em
qualquer capítulo tateei para lhe saber as carnes.
Mas antes havia bulas, ditados das
professorinhas de redação, silêncio dos beats
preguiçosos, e um acróstico para suas joanetes.
O vento lança guardanapos. Gina mastiga, e eu
lhe sabia mais saborosa que feijoada em lata. Da
letargia de Gina segui adiante, a textura da
encadernação de cobra, seus movimentos, o
tilintar do brinco na minha língua, o fumegar da
cama, o trepidar do fósforo, e o que me faz
transpirar na testa ante o espelho que não vejo,
capítulo três ou capítulo quatro, a pior imagem,
prosseguia Gina, enquanto corrigia a vírgula e
me acentuava, quem foi que guardou a sua perna
que se abria, agora eu abro a página, não tem
figuras este livro tátil. Chega um cidadão assim
de curvado, pesa muito a sua moleira com
galinhas parnasianas da granja. Me oferece um
poema, criado com amor. Gina arrota, seu lábio
toca o dedo que toca o garfo que toca – nisso eu
me viro e vejo. A língua em que foi escrito eu
molho com uma saliva bêbada. Devora um
pouco da minha memória. O poeta necessário
tem um latifúndio produtor de imagens. Torro a
chama do pavio com o dedo, só por precaução.
E eu sempre soube, mas você me retrucava
notas contemporizando. No escuro, linguagem.
Sobretudo seus seios entre o livro. Não fosse a
tatuagem a língua não se excitaria. Peço outra
cerveja.

 

 

 

(mais…)