Claudio Willer: Jardins da Provocação (1981)

Claudio Willer é autor dos livros  de poesia Anotações para um apocalipse (Massao Ohno Editor, 1964), Dias circulares (Massao Ohno Editor, 1976), Jardins da Provocação (Massao Ohno/Roswitha Kempf Editores, 1981), Estranhas Experiências (Lamparina, 2004) e A verdadeira história do século 20 (Córrego, 2016), também publicado em Portugal pela Apenas Livros – Cadernos Surrealistas Sempre, em 2015. Além de ensaísta, crítico e agitador cultural, realizou importantes traduções de obras como Os Cantos de Maldoror de Lautréamont, Escritos de Antonin Artaud e Uivo, Kaddish e outros poemas de Allen Ginsberg. Um pouco mais de seu vasto trabalho e colaboração cultural pode ser conferido neste blog.

 

foto: Renata d’Elia

 

Realizaremos um breve panorama de sua trajetória poética, dividido em 4 postagens. Nesta segunda publicação, selecionamos alguns poemas de Jardins da Provocação (Massao Ohno/Roswitha Kempf Editores, 1981). Confira a publicação sobre seus dois primeiros livros de poesia neste link.

 

 

 

À TARDE

 

olhar com o olhar espantado
               o vôo do primeiro pássaro noturno

e saber que em breve
               haverá algum tipo de confronto
               de alucinação coletiva, uivo geral
saber
               que por trás do olho
               guardamos uma planície de risadas
                 dobrada em algum desvão da alma

 

– a sensação lisérgica de estar aí
               e perceber
a fumaça dos últimos acampamentos
    a casa na encosta do morro
    o albatroz que arrepia sua trajetória
    os mosquitos que zumbem e que zumbem e que zumbem
nesta tarde
               em que três petroleiros se encaram
                          e trocam sinais ao largo
e uma memória nos persegue
               de rios, cataratas e pororocas
nesta praia
    que é fim e começo
    de qualquer coisa já sabida e possuída
e oculta
    no oco da última fibra nervosa

 

 

AUTOBIOGRAFIA SELVAGEM

 

1961: Do grande olho saiam todas as coisas. Caminhava-se em meio ao maremoto, sondava-se o tempo, a indiferença dos dragões alados não comovia ninguém.

1962: Pelos cantos das casas, pelos cantos, encolhíamo-nos e rolávamos, saltimbancos de uma nova ordem das coisas. Algum tipo inédito de som era despejado sobre a cidade. Aumentava a umidade do ambiente, nem sempre fazia frio. Devo contar tudo. Garrafas voaram pela janela.

1963: O terremoto, a convulsão, o susto pálido. E o entardecer que se abria como uma grande vagina para engolir-me. A mais pura esquizofrenia. Pastéis alados começavam a cobrir a paisagem, e pousavam nos beirais e parapeitos. Transcrevia-se a loucura. Como descrever tudo que aconteceu?

1964: A grande risada. Contemplei o mundo, presenciei os fatos de perto, a partir da minha cama. Impossíveis outras posturas. Alucinações no Maranhão e Recife. Que odor de ferrugem permeava as madrugadas! Mas algo se preparava.

1965: Chovia demais, era muita lama cobrindo tudo. Lembro-me de um olhar, uns olhos, talvez por detrás residisse alguém. Não sei; seria incapaz de contar tudo. Somente o plano inclinado, e era oleoso. Um dia trepamos numa árvore, era bonito, e fazia sol.

1966: O eco dos tambores. As anunciações. As auréolas. As corolas. Os revérberos. Também dessa vez, todo mundo estava lá. Um começo misterioso de qualquer coisa. Novamente o olhar habitado, estendendo-se e tomando conta dos subúrbios.

1967: Não sei quando começou. Durante um tempo, carregou-se um canivete espanhol.

1968: Uma certa acidez e ferrugem no ar. A poeira também fazia-se sentir. O calor era aquele calor que precede as batalhas. Mas tudo bem, juntamos os pedaços galhardamente.

1969: Como era extensa aquela praia. Tinha vindo ao mundo para brincar, mas havia me esquecido. Claridade, talvez. Entenda quem quiser. 1969 foi um ano rodeado de gotículas como um halo lunar.

1970: Aquele tambor, e o vértice fincado! Dizíamos sempre a mesma coisa, um aguilhão de ouro atravessando os dias e juntando-os na mesma fieira.

1971: Resto de selvageria. Certas coisas não devem ser ditas, apenas esculpidas em jacarandá.

1972: Redondo ou ovalado. No fundo da caverna, fogueiras acesas.

1973: Não consigo lembrar-me.

1974,1975,197………………………………………………………………….

E agora, e agora estamos aqui, fixos e trespassados no tempo. E agora estamos um frente ao outro, olho contra olho, sexo contra sexo, abrindo sucessivas cortinas do oculto olhar. E agora sabemos o que se passa e o que vai acontecer. Somos definitivos como uma profissão de fé. Somos uma confissão arrancada à meia noite. Prenuncia-se um diálogo poético. Os amigos começam a chegar, cheiro de malas e corrimões no ar. O grande olho despeja novos caminhantes, eles procuram seus aposentos e se instalam.

 

 

PELOS 40 ANOS DA MORTE DE GARCÍA LORCA
                                   (1936 / 1976)

 

 

          Eu vi pouca coisa nos jornais & revistas sobre os 40 anos da morte de García Lorca
          algumas manifestações e homenagens & uma notícia interessante (na Veja)
detalhando as circunstâncias – só isso
          o resto, notas esparsas perdidas nos textos
          quase ninguém lembrou
                passou despercebido
                   ninguém disse nada
                       ninguém quis lembrar
          porque as pessoas não querem mais lembrar
                                                                               e desistiram de falar
                                              pois esta é a era do silêncio
          silêncio de covas rasas e túmulos lacrados e circunscritos
                                                                     silêncio vigiado e preso
                                                           silêncio de poeiras há pouco assentadas
                                                                 pois todos estão mudos e perplexos
                                                                         alguns mortos incomodam demais
                                                                               e ninguém quer saber
                                                                               ninguém quer ver
                                                                               ninguém quer saber o que tem a ver
apenas este silêncio selado       esponjoso              grávido
               de escorpiões & maresias & tempos & memórias
                                              & vítimas do fascismo
                                      silêncio sem preces nem retaliações
                                         silêncio de palavras costuradas
                                            sexos guilhotinados
                                            uivos espalhados pelas madrugadas
                                    silêncio fantasiado de escafandrista
                                            silêncio de pupilas desorbitadas
                                           tímpanos perfurados                             unhas arrancadas
                                                              gritos em corredores estreitos
                                           jorros de silêncio                                naufrágios de silêncio
                                  silêncio de cascos estilhaçados de tartaruga
                                                      desabando sobre o mundo
                                                               silêncio sobre o que foi
                                                                                 o que é
                                                                                 e o que se sabe
silêncio com endereço certo e data marcada
        silêncio vômito do tempo e ejaculação precoce
                 silêncio de feltro
        estiletes & punhais dentro da noite
                 & anteparos & mesas cirúrgicas
                    & corpos & anêmonas & brônquios
                 & sangue recém-coagulado pelas paredes
silêncio maior que o mundo e mais pesado que o tempo
        silêncio de eletrodos & poções mágicas
           silêncio de sorrisos oblíquos
                          rostos cúmplices
                                   olhares de viés
              silêncio conivente e sussurrado
                          silêncio fantasma à cabeceira

passos de silêncio
                                            atmosferas de silêncio
              perseguições na quietude do tempo presente
                        convulsões inesperadas
              silêncio carregado de alucinações
              que nos perseguem encapuzadas
silêncio de vértebras e rins e palavras ocultas e soterradas
e vigiadas
            junto ao corpo de Federico García Lorca
              assassinado por alcaguetes e tropas fascistas
                      em um campo de Granada em agosto de 1936
                                desde então ciosamente guardado
                              por uns poucos fantasmas carcomidos e fosforescentes
                      para que ninguém chegue perto
                                                       e tenha a coragem de romper o lacre
                                 e soltar as palavras
                                                                a serem lançadas contra a opacidade do mundo

… … … … … … … … … ….. … … … … … … … … ….. … … … … … … … … ….. … … … … … … … … ….. … … ..

                                                                                    e acharam tudo muito bonito
                                                                                    gostaram demais dos textos
                                                                                    de fato, era um grande poeta
                                                                                    e ficou por isso mesmo

 

 

 

 

FAZ TEMPO QUE EU QUERIA DIZER ISTO

 

ainda não conseguiram destruir o mar

     não foram capazes de estrangulá-lo com fios elétricos e rodovias

          nem de o retalhar com cercas

               ou de lotear as manchas do seu dorso

o mar ainda existe

     presente na consciência dos amantes

          nas madrugadas de suor cúmplice estampado nos lençóis

para podermos ver o mar

     para penetrar aos poucos nestes refúgios mornos

          cavernas do primitivo sonho

               útero de filamentos luminosos

é preciso nos desnudarmos totalmente

     e sabermos nos reconhecer

          pelo toque da pele

               como algo que termina e recomeça

                    dois poemas entrelaçados

                         mordendo-se como a serpente mítica

o mar e suas gavetas de cristal

     seus andaimes de prata

          sua borbulhante conspiração de gelatinas

               sua sofreguidão de novelas agitadas

                    seus túneis de trilhos descendentes

                         sua nudez flamejante

                              seu tempo de redes desfazendo-se na areia

                                   seus barcos mergulhados na definitiva espera

                                        seus poços artesianos de sal

                                             seu recheio de quadros abstratos

                                                  sua cornucópia dos desejos obscuros

                                             seus punhais envoltos em sargaços

                                        suas torres de castelos de beleza pura

                                   suas largas avenidas batidas pelo vento

                              seu arco-íris dançando o balé do amanhecer

                         suas mãos de dedos transparentes a perder de vista

guardião dos nomes dos suicidas

                         que vagam pelas ruas de cidades submersas

                              labirinto de lembranças

                              labirinto de luzes e sombras vivas

               ondas fazendo valer seu interminável instante de rugidos

          entrechocando-se com o furor dos metais nas batalhas de Paolo Ucello

selva de ruídos                                                                 selva de ausências

                         e a hora da praia

                    pura realidade de silhuetas

               lábio de vagina úmida dos continentes

               dorso de gato angorá roçando a terra firme

               clamor de corais

                    ecoando por campos submarinos

                         afugentando as águas-vivas

               que chegam à praia como bandeiras de nações febris

 

(nesta rua asfaltada e cheia de gente de uma cidade de prédios inúteis que contemplam o mar certos da sua fatal corrosão

encontro um velho e inesperado amigo, ele carrega consigo sua roupagem hindu de seda negra e um estranho olhar fixo de visionário estampado no rosto pálido

recuamos para um lugar tranqüilo, sentamos para conversar entre palmeiras e uma brisa fresca

falamos das pessoas e das aventuras dos anos 60 e 70, tudo o que aconteceu, esses frágeis cenários agora vistos a partir desta perspectiva favorável de uma mesa de bar, eterna como todas as mesas de bar, neste mesmo lugar onde já escrevi outros poemas

próximos demais da areia para que não sejamos rigorosamente verdadeiros

nomeamos os personagens: um que foi morar em Punta del Este para fazer não se sabe o quê, outro que viajou para a França e ficou muito rico, aquele que mora em um barco e contempla o vazio todas as manhãs, alguém que dardeja traços alucinados sobre o papel, os que escrevem coisas absurdas com a firme convicção dos testamenteiros

e há também os que se mataram, os que foram mortos, que se afugentaram de si mesmos e ingressaram na definitiva condição de fantasmas, os navegantes para todo o sempre

o amigo se despede e parte, mergulha para dentro do calor de fim de tarde de um verão precoce, atravessa a barreira de uma cerca viva de folhagens, dissolve-se dentro da névoa que sempre se forma nestes dias

arrasta consigo este feixe de biografias entrelaçadas

e a questão parada no ar do que fazer com tudo isso

levanto-me e vou até a mureta que separa o jardim, agora deserto, da praia

chego mais perto

o entardecer começa a despejar seu instante de alucinação carmesim)

 

CHEGO MAIS PERTO

     atravesso um filtro de maresias

     recolho das ondas a simetria deste poema

     nuvens dilaceram-se em um derradeiro combate de cores

enquanto o mar

                     (um rio mais indomável)

                                                       respira pesadamente

passando à minha frente

                    com a lentidão solene das procissões de barqueiros religiosos

               estendendo seu cobertor de noites

               abafando as fogueiras do fundo

               acesas nas clareiras onde afogados tentam aquecer as mãos

a presença humana é murmúrio e solidão

restam apenas estes dois navios cargueiros

                    sombras recortadas contra o longe

                    dois barcos             –              dois pontos

                    vozes solitárias insignificantes e nulas

                                        mergulhando no vazio cinzento

e este veleiro

                    mancha agitada sobre um mapa de negações

               deslizando rápido para dentro da sua hora noturna

o humano recua de vez

                         agora tudo é distância e vazio

                              dissolvem-se as palavras e a paisagem

resta apenas o outro

                         tudo o que não somos

                                                  tudo o que nos é estranho

                                                            como um texto

     oco da memória viva

                              malha obscura de encontros amorosos

               o negativo deste nosso mundo de coordenadas terrestres

                    com seu surdo murmúrio de infinitas fontes

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *