Helena Borges: Peito do pé sobre peito (2019)

Helena Borges nasceu em setembro de 1993. Carioca, foi morar em Belo Horizonte em 2017 para cursar artes plásticas na Escola Guignard, hoje frequentando o sexto período, depois de pedir transferência do Instituto de Artes da UERJ. Experimenta diversas linguagens e temas no seu processo criativo, como pintura, fotografia, cerâmica, desenho e escrita. É fascinada pelos fenômenos misteriosos da existência e horrorizada com certos fenômenos sociais, temas que são recorrentes no seu fazer artístico e mágico.


Os poemas a seguir foram selecionados do livro Peito do pé sobre peito (Urutau, 2019).


POEMA DE UM EXISTIR INTEIRO


Nesta noite de domingo entro no ônibus e na janela estourada há cacos de vidro.
Eu os pego, não é?
Pedaço transparente todo picotado, em sua superfície desenham-se caminhos verdes, lagos, rios?

O caco de vidro está quebrado em 10 mil pedaços
tão pequenos
e genuínos
que possuem luz.

Com as minhas mãos preciso esfarelá-los.
(Não sinto-as mais
há tempos.)

Cada pequeno pedaço transparente todo picotado, em sua superfície desenham-se caminhos azuis, ruas, calçadas?

São fios de vidro.
Segurá-los faz cortes nas mãos
e eu sangro ao esfarelá-los.

Cada fio de pequeno pedaço transparente todo picotado, em
sua superfície desenham-se caminhos vermelhos, veias, artérias?

Esfarelo-os enquanto vejo os fios se misturarem ao sangue,
ao meu sangue grosso.
E já estou no centro?

O essencial é microscópico!

Cada micro fio de pequeno pedaço transparente todo picotado, em sua superfície desenham-se caminhos brancos, nuvens, frios?

A vida incontrolável captura o vidro transparente e desse existir inteiro não se sobra nada.
(Não sinto-as mais,
há tempos.)



*


deitei sobre o colchão no escuro e logo puxei para mim o cobertor.
me cobri inteira, dos pés ao topo da cabeça
fiz do manto a minha Armadura.
e senti a solidão tão forte
que percebi o impulso antigo e desaprendido de fazer o sinal da Cruz
que trouxe de uma infância católica
temente ao inferno e principalmente
à vida eterna.





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *