Edith Derdyk: Da língua e dos dentes (2020)

A artista visual tem um percurso que alinha diferentes materiais, procedimentos e linguagens — de instalações a desenhos, de fotografias a gravuras. Pesquisadora e educadora, é autora de vários livros teóricos e ensaísticos de referência para Arte e Educação. Seu primeiro livro de poesia, A pesar, a pedra, foi lançado em 2018 e da língua e dos dentes é o seu segundo livro de poemas, lançado no final de 2020 pela Editora Urutau. Atualmente Edith coordena a pós-graduação Caminhada como Método para Arte e Educação na A Casa Tombada.




Os poemas a seguir foram selecionados da obra da língua e dos dentes (Urutau, 2020), com orelha de Agnaldo Farias, apresentação de Natalia Barros e posfácio Marcílio Godoi.



SILÊNCIO


algumas outras palavras
vem do choque
sentenciam uma onda sem água
esfarelada no ar
onda bate em algo de nada em nada
tão fácil não tão fácil
um silêncio

nuvem carrega saturno
chuva chove
olho cimentado de suor
nuvem carregada de chuva
nem vento dissipa silêncio assim
um silêncio

pedra opaca sem lugar definido
pedra comove uma espécie de dentro
pedra muda nem sai do ponto
elegância discreta aparece
parece vulto
vem por trás e corrói e afirma
quando assim é assim
um silêncio

tempestade de ar e areia e água
de grão em grão, mil grãos chapiscam
na pele na sombra na sobra
dia horário lugar
estreiteza que alarga
líquido que não se contém
esparrama pelas bordas e margens em desvios
um silêncio

sol na sombra e a falésia cai
fim de dia meio de tarde
sol na altura da falésia
a penumbra assombra
traça na terra a graça de uma sombra
caixa preta a céu aberto
luz veloz no limite da lâmina solar
inventa falésia parada cortada em viés
contorno sombrio lúcido cravado nos grãos de areia
deserto-praia vira mar virá e verá
abafa som e timbra olho
sobra linha de horizonte em acordes
um silêncio

silêncio é acordo
o silêncio me acorda



DA LÍNGUA E DOS DENTES



língua não se quebra
liga a saliva debaixo dela

mole a língua controla
o batente do som no osso do dente

a água lambe a pedra branca
dente mineral, dente rochoso

na caverna úmida, língua nada borbulha
na boca rosada, língua examina minúcias

quando parada, língua insone
mede a cavidade do dente, abismos íntimos

músculo involuntário informe
língua, réptil alongado enrola

na ponta da língua, textura
no meio da língua, tapete do tato
na base da língua, os gostos
adesão do som ao texto

pregnância das entranhas ao sentido pleno
una a língua na carne, a mão da boca

modele o gosto dos cinco tentáculos
ácido doce salgado amargo azedo

os sentidos dos temperos tonificam a dicção
a língua é temperamental

das vívidas substâncias mortas na língua viva
os sabores as pitadas os humores

o corpo degusta dissolve suga engole
língua-lâmina e seus rumores

língua daquele que balbucia e murmura
língua daquele que afaga e tranca

língua daquele que draga e tortura
língua daquele que paga e arranca

língua daquele que gagueja e fissura
língua daquela que braveja e imanta

língua daquele que silencia e cura
língua daquele que fala e encanta

língua ávida, porta de entrada
amolece os restos de uma gênese
dentes em arco laçam maxilares fixos
dentes toscos pontiagudos, os dentes duros

dentes, as pontas de colares-pérolas
amarelados, branco aleijado

dentes calçam o céu da boca anelada
arcada dentária, tecla afinada

toca corta espalha ameaça avança
espalha em montes em cumes, suas lanças

a mandíbula é mais que espada
a vida depende de uma boa mandíbula

vida dura de roer sem trégua nem mágoa
uma vida bem mastigada

os dentes, extremidades dos ossos
bordas expostas, esqueleto escondido na fundição de um corpo

da carne suspensa pela armadura oca
o osso quando sai de dentro, ilumina

luz que dele sobra em excesso
vaza pelo reflexo branco das armas aparelhadas

em nossa bica, dentes cortantes: anseio de branco
dentes domesticados, falsamente torneados

dentes, ossos desencapados
encarnados sem carne, no osso

oferecem mordidas, pegadas decantadas
cantos aspirados, embocadura cadenciada

dor de dente aguda, agulha em nós
modulação dissonante de um entre tantos

restos de comida, incrustrados nas paredes internas
de nossa catedral originariamente alva, salva e nua

para que se toque e se vibre esse piano
a estampa de um sorriso em sol maior

e o medo de animais porque mordem
e os dentes, nossas espadas, mordem
os ossos envoltos pelo manto de carne
de sangue de músculo de pele invólucro

da embalagem sem vinco, nascentes mordem
expele ar quente e fala, falo

oriundos de estranhas entranhas, ruídos construídos
resíduos amolecidos, sons pulmonares esculpidos

grávidos contornos, a palavra cala
da língua oculta nos dentes cerrados, o ar aglutina

dente que dói, rói os ossos ao avesso
língua que racha, seca o corpo aceso

e o que seria deste corpo de vísceras e órgãos
se a abertura não fosse uma boca feita de língua e dentes
boca vazia de voz infla na primeira aspiração
vir à luz seria isto – interrogação

a boca que morde, torce
a boca que tritura, fratura
a boca que traça, arquiteta
a boca que fala, desenha

tons crescentes aglomeram pedaços de fôlego
articulam-se em gotas, erguem-se no ar em ondas

fonemas em elos, cadeia sonora
em montanha, serra escritura

do jogo da língua contra os dentes, o balanço da embocadura
do duro do mole do fixo do móvel, emerge um firmamento

luz de sentido na língua que pressiona o dente
de onde sai som, a onda líquida recua

rebate ósseo que recusa, da emissão gasosa que avança
tensão do tendão que alonga, do ritmo sanguíneo modela

timbre do músculo que modula, um outro tom
som outro tom outro som

ar em vogais, a água de um mar
ar em consoantes, a pedra de um mar

vogal mítica em harmonia imaterial
vogal contínua em melodia informal

irreverente aos dentes e à língua
a vogal da boca se desprende, medidas plurais

leve ar, a corda vocal vibra
acorda passos desmesurados

são lembretes de deuses compondo os infindos
sem rasura nem lacuna

som que afunda que alarga que amansa
retoca a consoante sólida do osso duro

pés que tropeçam a terra do chão, arranca
mãos que batucam a pedra, sem tranca

eco cravado no crânio em toque de batuque
consoante que no instante interrompe, rítmica

intervalo da sentença cardíaca em ressonância, tônica
acelera arrebata limita estanca

e o som manca, espanca
ar pregnante, nascido da harmonia distante

de sóis que já não se veem mais
inspira vazios gasosos, sobra som

expira som sobre ondulação
ar tão longe

sidéreo que atravessa a carne
gruda na carne, se agarra nos poros

gravado no som em forma, soma
do silêncio a cavidade modal, emana

brota a palavra que mama
da língua vernácula castiça, extingue

da boca mestiça de híbridas carnes, exala
do dente de ritmo inato inacabado, não se cala

amuleto de todos os sons, de todas as formas dos sons
de todas os ares esculpidos nos sons

a voz do som, escultura provisória
palavra bengala não banguela de todas as línguas

Primata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *