Lilian Sais: acúmulo (2018)

Lilian Sais é escritora, pesquisadora e tradutora de grego antigo. Doutora em Letras, é uma das fundadoras da plataforma de ensino e difusão cultural Literartéria e coeditora da Revista Libertinagem, de arte e literatura erótica. Possui publicações virtuais e impressas no Brasil e em Portugal. Em 2018 lançou a plaquete de poemas Passo imóvel pela Editora Cozinha Experimental. acúmulo (Patuá, 2018) é seu primeiro livro.

 

 

 

 

Os poemas a seguir foram selecionados do livro acúmulo (Patuá, 2018).

ROUPAS NO CHÃO

(para Jamesson Buarque)

 

o pássaro voa até a janela.
saiu do meu ouvido,
mas as asas permanecem
batendo dentro da
cabeça.

(na luta
a luta
cansa.)

o peso é impossível e
há meses não sangro
como se deve,
pra fora.

– estou grávida
de abismo.

 

 

 

 

.

 

o acúmulo
de lutos & vícios
me trouxe
não saúde
mas humildade:

nunca viver
com a arrogância
de quem diz
“isso eu faço
amanhã”

 

 

.

 

(aceita, esse choro nem é fraqueza,
mas também não me peça
pra ser feliz de domingo, gostar de quatro
de novembro, colocar flor em vaso,
arrumar o armário, não têm problema,

não entender é mais completo,
eu sei,

mas aceita, que às vezes nem é tristeza, é só
cansaço, só também não me peça
pra seguir a numeração
das páginas, colocar título
em poema, viver assim,

como se adoçar café
fizesse sentido)

 

 

ORAÇÃO

 

chances são
de ser erro
a insistência,

corte de navalha
a golpear veredas
com palavras.

para dor crua
não há cura,
redenção apenas

por encanto
ou distração.

peço
de trago em trago

que entre
potência e exaustão

eu ainda seja
possível.

 

 

NEGAÇÃO

 

mais ou menos quando eu disse
– te amo
e tive como resposta
– hoje vou cortar as unhas

me ocorreu como
é excessivo o branco

do teu figurino,
como caberia bem

ali, três dedos
abaixo da gola,

uma mancha
de café amanhecido

ou placenta

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *