Marco Aurélio de Souza: Anjo Voraz (2018)

Marco Aurélio de Souza (1989, Rio Negro/PR) é autor de quatro livros, com destaque para os poemas de Anjo Voraz (Editora Benfazeja, 2018) e Travessia (Kotter editorial, 2017). Doutorando em Estudos Literários (UFPR), publica em diversos periódicos e participa, entre outras, das antologias 29 de Abril: o verso da violência (Patuá, 2015, poemas) e 15 Formas Breves (Biblioteca Pública do Paraná, 2017, contos). Atua como professor na rede pública do Estado do Paraná e vive em Ponta Grossa. Contato: [[email protected]].

 

 

O poema a seguir faz parte do livro Anjo Voraz (Editora Benfazeja, 2018).

 

 

NENHUM AMOR JAMAIS HESITA

 

 

Não, jamais eu hesitei no meu amor
Embora tudo fosse assim
Alguma dúvida fincada em meu peito
Latejando a incerteza por trás das cortinas
Exceto pela força infinita desse laço
Tão frágil, unindo a penugem
De duas crianças.

Como a cachoeira se derruba
Sem perguntas,
Aos olhos do novo
Somos alguma imensidão
Se revelando
Mediante um gesto que despacha
A dor de um dia cansado.

[…]

Mãe, o quanto em ti
Era a menina organizando suas bonecas
Antes de lavar a louça e varrer a casa
Procurando Deus no brilho dos móveis
Onde eu só via o esgoto da vida
Consumindo nosso tempo
De brincar?

Carregando o sonho da família em suas mãos
Você podia tudo
Desde que cantarolasse uma canção do rádio
Enquanto passava nossas roupas
Dando razão e sentido
Ao delírio da existência.

E porque eu era o filho
Tudo estava sempre em seu devido lugar
Vez que o trabalho exaustivo dos teus dias
Era tirar todos os frisos do silêncio
Domesticando a escuridão.
E atrás do pai, por isso, ainda o filho
Pedindo a ponta dos teus dedos
Em meu rosto assustado
De guri.

[…]

Falei com Maitê todos os dias
Enquanto aqui, longe de casa.
Sente saudades e dormiu com sua mãe
Como eu fazia com você
Quando um lugar à sua cama
Parecia vago.

Por um momento
Senti tua benção derramando
A eternidade em minhas veias.

[…]

Não, meu bem, nunca me esqueço do teu rosto
Quando à distância me renovo
No desejo íntimo de fuga
& autodestruição.

E será isso então tornar-se o pai?
Ser um agrimensor de todas as rotinas
Delimitando as fronteiras da morte
No pêndulo que oscila entre o refúgio
Da casa e a culminância de um gozo
Solitário?

Nem bem o dia se passou inteiramente
Neste quarto nauseabundo de hotel
E tua falta já emerge
No horizonte forasteiro
Contornada pela sevícia de um colorido
Em tudo estranho, insuportável.

Devia deixar este poema pra depois,
Sair comer alguma coisa na esquina.
Sei que será impossível.
Há uma beleza que se inflama
Na natureza das coisas.
Já estou longe, muito longe
E o amor jamais hesita.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *