Roberto Piva: Piazzas (1964)

Roberto Piva (1937-210) é autor da plaquete Ode a Fernando Pessoa (Massao Ohno, 1961) e dos livros Paranóia (Massao Ohno, 1963), Piazzas (Massao Ohno, 1964), Abra os olhos e diga ah! (Massao Ohno, 1975), Coxas (Feira de Poesia, 1979), 20 Poemas com Brócoli ((Massao Ohno, 1981), Quizumba (Global, 1983) e Ciclones (Nankin, 1997), reunidos em três volumes pela editora Globo, sendo o último – Estranhos Sinais de Saturno – acompanhado de poemas inéditos. Marcada pelo experimentalismo, múltiplos diálogos e alta qualidade das imagens poéticas, sua obra é uma das mais intensas da poesia brasileira contemporânea.

 


foto: Claudio Willer

 

Os poemas a seguir foram selecionados de Piazzas (Massao Ohno, 1964), segundo livro do poeta. Confira a postagem sobre o Paranóia (Massao Ohno, 1963), seu livro de estreia, neste endereço.

 

 

 

PIAZZA I

Uma tarde
            é suficiente para ficar louco
ou ir ao Museu ver Bosch
               uma tarde de inverno
   onde garòfani            milk-shake e Claude
                                               obcecado com anjos
            ou vastos motores que giram com
                                                                 uma graça seráfica
                                               tocar o banjo da Lembrança
sem o amor encontrado            provado            sonhado
                                      &       longos  viveiros municipais
                          sem procurar compreender
                                      imaginar
                                               a medula sem olhos
                       ou pássaros virgens
                                   aconteceu que eu revi
                    a simples torre mortal do Sonho
                                                 não com dedos reais & cilíndricos
Du Barry          Byron                   Marquesa de Santos
        Swift                       Jarry                   com barulho
                                                     de sinos nas minhas noite de bárbaro
         os carros de fogo
                                    os trapézios de mercúrio
         suas mãos escrevendo & pescando
                                                         ninfas escatológicas
pequenos canhões do sangue & os grandes olhos abertos
                                      para algum milagre da Sorte
 

 

 

 

PIAZZA V

 

Oswald Spengler tem uma
         porta no seu tornozelo
                  & nuvens através dele
                            limpando a pele
         que projeta
                            um velho cachecol marrom
                                               em seu olho
eu penso
                            pelos seus
                                            líquidos compassos de sátiro
até
         um cenário de músculos
                                     impedido de esmagar
                                                        o carvão de
                                                                           vidro verde
                            que aquece
                                               a estrela nua de
                                                                           anteontem
Oswald Spengler tem uma porta no seu tornozelo
                                     batendo
                                               até
                                          altas horas

 

 

 

PIAZZA VII

 

 

O equilíbrio (embora meu)
é um pouco teu como esta luz ao nível da maré
que tu divides benfeitor fascinando meu olho de fogo
            justo
é a vibração impossível de domar agora na potência do
            vazio celeste
dizem que urras
desmaias & tens visões
rolando sobre tua boca dilatada as auroras feitas de
            Presa

 

 

PIAZZA VIII

 
Eu aprendi com Rimbaud
   & Nietzsche os meus
   toques de INFERNO
(Anjos de Freud),
         sustentai-me!)
& afirmando isto
   através dos quartos sem tetos
   & amores azuis
eu corro até a colher de espuma fervente
   driblando-me no cemitério
faminto da última FOME
com tumbas & amantes cheios de pétalas
porque o céu foi nossa última esperança
   esta noite
 

 

 

O ROBOT PEDERASTA

Um dos ‘robots’ correra para junto da
criança & pegara nela ao colo,
acariciando-a com uma gentileza que
não parecia ser possível num ‘robot’
daquelas dimensões.
Isaac Asimov

 

Não vale
                  sair
com asas
                  onde
o cra          cra          cra          cra          cra          cra          cra
      cra          cra          cra             cra          cra              cra 
se amassava
              nas
                  velas apagadas
                            quem
                                 quer
                                     o telhado
                            de lágrimas?
                  beberei veneno
                            contra
                                     teu temperamento
                          alegria que se
                                     espera
                        raio X de gente que
                            desce do alto
                  porta acesa
              olhar inchado no escuro
Signorine, la danza della Morte è servita
                            algumas ficaram
                                     LOUCAS

 

 

 

HOMENAGEM AO MARQUÊS DE SADE

 

O Marquês de Sade vai serpenteando menstruado por
máquinas & outras vísceras
imperador sobre-humano pedalando a Ursa maior no
tórax do Oceano
onde o crocodilo vira o pescoço & acorda a flor louca
cruzando a mente num suspiro
é aéreo o intestino acústico onde ele deita com o vasto
peixe da tristeza violentando os muros de sacarina
ele se ajoelha na laje cor do Tempo com o grito das
Minervas em seus olhos
o grande cu de fogo de artifício incha este espelho de
adolescentes com uma duna em casa mão
as feridas vegetais libertam os rochedos de carne
empilhadas na Catástrofe
um menino que passava comprimiu o dorso descabelado
da mãe uivando na janela
a fragata engraxada nos caminhos da sobrancelha
calcina
o chicote de ar do Marquês de Sade
no queixo das chaminés
falta ao mundo uma partitura ardente como o hímen
dos pesadelos
os edifícios crescem para que eu possa praticar amor
nos pavimentos
o Marquês de Sade pôs fogo nos ossos dos pianistas que
rachavam como batatas
ele avança com tesouras afiadas tomando as nuvens de
assalto
ele sopra um planador na direção de um corvo agonizante
ele me dilacera & me protege contra o surdo século de
quedas abstratas