Carina Carvalho: Corpo clareira (2019)

Carina Carvalho nasceu em 1989, em São Paulo. É autora do livro de poemas Marambaia (Editora Patuá, 2013), da plaquete Passiflora (edição da autora, 2017) e do livro Corpo clareira (Editora Feminas, 2019), recém-lançado. Tem textos publicados em algumas revistas digitais e impressas. Em <clcarina.wordpress.com> é possível acompanhar um pouco desses caminhos.


Os poemas a seguir foram selecionados da obra Corpo clareira (Editora Feminas, 2019).


.

relance de olho miúdo não pega descanso
em ponto cego. só reluz minúcia diária:
– quantos brincos a gente tem na cara…

e quantas vezes você pisca nas semanas mais terríveis?
ou então falamos de lentes. das que botam o mundo
como um borrão pra dentro do bolso

no mais,
se é furo em mucosa, miopia ou inchaço,
isto é o corpo diariamente modificado

olhos que sofrem cores
e marcas mais rosadas que os pequenos lábios



CLIMATOLOGIA

saber do outro que é frágil, como uma plantinha frágil
a tua cara na janela, bonita feito uma jabuticaba bonita

é difícil a manutenção de estar vivo, assim em relação ao tempo
sob o sol é corpo que se expande, os gestos nascendo como queriam
já cinza de céu é sugestão de bicho em concha. a carne de si pra si

— vê qual a máxima pra hoje.

me certifico de que você ainda respira, mesmo com a quentura:
o cenho, o tronco, as tuas pernas morenas
tudo são movimentos que não mais domino
(nunca cheguei mesmo perto de pedras preciosas)

quando a estação muda diz do outro, tão frágil
eu pendurada na janela, ao lado de plantinhas vivas e bonitas

feito uma jabuticaba bonita


MANHÃ DIA 13


não derrubei louça ou qualquer vidro
quando vi um enorme elefante cinza
sentado na mesa de centro
atravessei a sala como de costume, pisando em ovos

e por falar em coisas quebradiças, sei que
fevereiro hoje se diz com a boca esvaziada de glitter

embora sem data você escolha as mais caricatas máscaras
pra apontar bichos pesados pulando janela adentro, fazendo samba
e alguns bichinhos peçonhentos quando eu pensava a casa já limpa

aprendendo malabarismos, desvio de toda sorte de tensão,
essas coisas que pairam nos espaços em que não caibo
já que o elefante, bem quietinho, só me olha de soslaio

Primata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *